Memórias de uma exibida (parte 75) – O pintor

[email protected]

Todos sabem que Du é meu “namorido” desde muitos anos, e que ele é mais velho que eu. Contudo, antes dele também teve outro homem maduro, embora fosse uma relção totalmente diferente.

Eu perdi a virgindade aos 18 anos, como o meu namorado na época. Eu pensava que ficaríamos juntos sempre, mas a verdade é que ele logo cansou de mim e começou a procurar outras garotas. Eu dei um fim na relação, embora sentisse muito a falta dele.

Um dia, estava sozinha na praia mais frequentada de minha cidade. Havia um lugar que eu gostava, onde o dono da barraca me conhecia desde criança. Eu costumava forrar minha toalha na areia e deitar de bunda pra cima, soltando o top, pra ficar só com a marquinha da calcinha.

Era comum uns turistas estrangeiros ficarem enchendo o saco, mas o dono da barraca sempre vinha em minha proteção. Nesse dia, eu estava meio sonolenta, mas observei que um casal sentava numa mesa perto de onde eu estava. A mulher deixou as coisas dela e saiu, sem que eu prestasse muita atenção nela.

O cara, entretanto, ficou me olhando o tempo todo. Ele era velho (quando se tem dezoito anos, todo homem maduro é velho), estava com um chapéu panamá e uns óculos rayban tipo aviador. Ele vestia uma blusa de algodão cru e calças jeans bem desbotadas. Parecia ser um hippie perdido no tempo.

Eu comecei a ficar incomodada com aquele olhar constante. Lá pras tantas, eu amarrei o top no lugar e me levantei, indo até ele:

- Está gostando do que está vendo? Mas, saiba que não está à venda!

Ele me pareceu sinceramente surpreendido. Tirando os óculos, ele levantou e falou com uma voz bem suave e agradável:

- Senhorita, eu peço mil perdões se a incomodei, se eu estava olhando, é por pura admiração, poucas vezes vi uma mulher tão bonita como você.

O jeito dele era tão sincero que me desarmou. Percebendo alguma coisa, o dono da barraca veio até nós e disse que aquele senhor era um amigo, e também um assíduo frequentador do lugar. Percebendo minha confusão, o senhor convidou-me para sentar:

- Por favor, senhorita, permita-me oferecer uma bebida para desfazer o mal-entendido.

Nós sentamos na mesa e ele se apresentou, disse que seu nome era Paulinho, que tinha setenta anos, era pintor e um eterno apreciador da beleza feminina. Eu achei engraçado uma pessoa daquela idade gostar de um nome no diminutivo, mas ele disse que todos os seus amigos o tratavam assim.

Enquanto conversávamos, a mulher que viera com ele chegou. Na hora eu fiquei abismada com a beleza dela. Laure era uma mulata clara muito alta e esbelta, mas com a bunda bem carnuda e as coxas roliças, resultado do casamento de um francês com uma brasileira. Ela tinha os traços finos e os cabelos crespos, que usava presos em cima da cabeça. Apesar de ter um jeito maduro, ela era apenas dois anos mais velha que eu.

Quando soube da confusão entre nós, Laure riu muito, e me assegurou que Paulinho era a pessoa mais doce que ela conhecia. Eu perguntei se eles eram namorados, o que ela respondeu com outra risada:

- Eu bem queria, mas ele só me quer para posar para os quadros dele.

Eu fiquei bem curiosa sobre o assunto, e Paulinho então me convidou para ir com ele e Laure na sua casa, para conhecer o seu trabalho. Como a casa dele ficava num bairro vizinho ao meu, resolvi aceitar o convite.

A casa ficava numa vizinhança tranquila, cheia de árvores, e ocupava uma área bem grande. Ao entrarmos vi logo uma piscina, e a casa formando um L. Ele explicou que a parte maior era onde ficavam salas, quartos, cozinha, etc, e no outro lado era o estúdio dele.

Havia quadros por todo canto, sempre de mulheres, a maioria nua, e o rosto nunca era reconhecível. Mesmo os quadros de Laure eram assim. Ele disse que costumava fotografar as modelos com uma polaroide e depois pintava o quadro, destruindo a foto depois.

Enquanto ele ia buscar bebidas e petiscos, Laure e eu fomos para a piscina. Ela logo tirou o top, ficando só com a calcinha do biquine. Eu perguntei se podia fazer o mesmo e ela disse que sim, que Paulinho estava acostumado com mulheres nuas o tempo todo.

- Desculpe a indiscrição – perguntei – mas vocês são amantes?

Ela olhou para ver se ele não estava perto e segredou que ele tinha algum problema de saúde que não conseguia ter ereção, mas adorava ver ela se masturbando. Ela também disse que algumas vezes ele tinha feito sexo oral com ela, levando-a à loucura.

Quando Paulinho chegou com uma bandeja repleta, nós duas estávamos com os peitos de fora. Ele não se surpreendeu, apenas sorriu, deliciado:

- Que visão linda! Adoraria depois tirar umas fotos de vocês para fazer uns quadros.

Nós ficamos conversando, bebendo e trocando ideias, até que ele convidou para conhecer o estúdio. Este era um galpão cheio de material de pintura, e em um canto havia um tablado com um fundo infinito. Ele pediu para Laure ir primeiro, pois já estava habituada com o trabalho.

Para minha surpresa, Laure subiu no tablado e desamarrou a calcinha, deixando escorregar pelas pernas. Ela ficou completamente nua na nossa frente. Pelo jeito, ela costumava sempre se bronzear de topless, pois a única marca que tinha era um pequeno triângulo no rego da bunda e a própria xoxota, com um tom de pele mais claro que o resto do corpo. A xoxota estava raspadinha, a menos de um pouquinho de pentelhos do tamanho de uma moeda em cima do púbis.

A garota era incrivelmente bonita, e vendo-a assim, nuazinha, fui assaltada por muitas sensações. Enquanto ficava com inveja por ela estar assim tão desinibida, também fiquei com um tesão louco, morrendo de vontade de chupar aquela xoxota.

Paulinho foi sugerindo algumas posições, que ela atendia sem titubear, mesmo as mais reveladoras, como uma ajoelhada, com a bunda bem para trás, o cuzinho castanho escuro bem saliente.

Depois, Paulinho perguntou se eu não queria experimentar. Eu ainda estava com a calcinha do biquine, mas fiquei com vergonha de tirar. Ele sugeriu várias poses também, embora mais tradicionais do que tinham sido as de Laure.

Laure então sugeriu posarmos juntas. Ela ficou ao meu lado e fizemos várias fotos, abraçadas, tocando o corpo da outra. De repente, ela sugeriu que eu tirasse a calcinha. Sem pestanejar, eu tirei e joguei de lado, ficando as duas nuazinhas.

As poses foram ficando mais ousadas, nós pegávamos nos peitos e na xoxota da outra. Ela passou o dedo entre os lábios de minha xoxota e viu que eu estava molhadinha, sussurrando “safadinha”, enquanto deslizava o dedo acariciando meu cuzinho.

Eu estava muito excitada mesmo, e quando ele sugeriu que a gente se beijasse, foi a centelha que estava faltando. Nós nos beijamos apaixonadamente, cada uma com a mão na xoxota da outra, tocando siririca descaradamente. A gente começou a arfar e gemer, e logo estávamos gozando sem o menor pudor, na frente de Paulinho.

Laure me deitou no tablado, abrindo minhas pernas e encaixando as dela, de maneira que nossas xoxotas se tocassem. Ela começou a mexer os quadris, fazendo as xoxotas se esfregarem, e como estávamos super excitadas, parecia que estavam ensaboadas.

Depois de mais uma gozada gostosa, Laure deu a volta por cima de mim para fazermos um 69. Enquanto minha xoxota é bem fechadinha, a dela ficava com os pequenos lábios sobressaindo, e eu chupava com um tesão, enquanto ela lambia a minha.

Eu lambia a xoxota toda, procurando alcançar o cuzinho com a língua, depois voltava para baixo. Depois que eu gozei, me concentrei em lamber o grelinho dela, ao mesmo tempo que enfiava a pontinha do dedo naquele cuzinho chocolate.

Não demorou para que ela gozasse também. Ela rolou e deitou ao meu lado, para recuperarmos a respiração. Paulinho tinha colocado a câmera de lado, e estava acariciando o pau. Ele perguntou se podia tocar uma punheta olhando a gente. Eu concordei, e ele pediu para fazermos de novo o 69, trocando as posições.

Eu fui para cima de Laure, arreganhando bem a bunda enquanto abria as coxas dela e voltava a lamber aquela xoxota gostosa. Ela também lambia a minha, enquanto passava a pontinha do dedo no meu cuzinho.

A sensação era deliciosa, e vi que Paulinho tirava várias fotos girando ao nosso redor. Depois, ele sentou perto da minha bunda e tocou a punheta, enquanto olhava Laure chupando minha xoxota e enfiando o dedo no meu cuzinho.

Depois de gozarmos muito voltamos para a beira da piscina, as duas completamente nuas. Paulinho estava feliz, e disse que tinha material para pintar muitos quadros.

Alguns dias depois, Laure foi para a França, para um ano de intercâmbio. Eu voltei algumas vezes à casa de Paulinho, para posar para ele. Na primeira vez que fui, fui logo subindo no tablado e tirando a roupa, ficando logo nuazinha. Ele foi pedindo algumas poses cada vez mais ousadas, mostrando a xoxota, o cuzinho, de quatro, etc.. Por fim, eu fiquei sentada com as pernas abertas, e comecei a tocar uma siririca. Ele deu uma risada e disse que Laure tinha conversado muito comigo.

Me pegando pela mão, ele convidou para ir para o quarto. Nós sentamos na cama, eu encostada na cabeceira, com as pernas bem abertas, voltando a me acariciar. Eu continuei até gozar, e ele pediu para eu ficar de quatro na cama. Eu obedeci, e ele começou a lamber meu cuzinho, enquanto acariciava meu grelinho. Laure tinha razão, o homem era um espetáculo com a língua e com o dedo!

Eu devo ter gozado umas mil vezes, com ele chupando minha xoxota e meu cuzinho. Depois ele mandou eu deitar de bunda pra cima, com as pernas bem abertas, enquanto ele batia uma punheta me olhando. Mesmo exausta, eu ainda passei a mão debaixo do corpo e fiquei tocando siririca até ele gozar.

Teve uma vez em que ele pediu para ir na casa dele, para fazer uma série especial. Quando eu cheguei, vi que tinha uma mulher com ele. Ele me apresentou como Mei Li, uma chinesa nascida no Brasil, e que era muito ligada em fetiches. Ele queria tirar fotos de nós duas, e para isso, eu deveria obedecer tudo o que ela mandasse fazer.

Mei Li era magra e delicada, uns dez centímetros a menos que eu, com o cabelo liso cortado bem curtinho. Como toda oriental, tinha os peitos pequenos, mas a bunda era carnuda e empinada. Ela tinha as coxas relativamente musculosas, o que devia ser resultado de muita atividade física.

Nós fomos para o quarto, e ela mandou eu ficar nua. Ela também tirou a roupa, ficando só com uma calcinha fio dental. Ela mandou eu prender o cabelo para não molhar, e literalmente me deu um banho completo, ensaboando e esfregando peitos, cuzinho e xoxota. Depois de me enxugar cuidadosamente, ela mandou que eu fizesse duas tranças no cabelo e aguardasse que ela iria me maquiar.

Enquanto eu obedecia, fiquei observando-a tomar banho. Quando ela tirou a calcinha, vi que ela também trazia a xoxota raspadinha, mas deixara um filete vertical de pentelhos em cima do púbis. Ela se enxugou rapidamente, e veio me maquiar. Na verdade, além de uma leve base para clarear o rosto, o único detalhe foi um batom bem vermelho.

Depois, ela mesma se maquiou, com uma sombra escura nos olhos, e um batom violeta nos lábios. Ela então vestiu um corset que deixava os peitos expostos, e umas botas que tinham até o meio das coxas, ficando com a xoxota e o cuzinho de fora. Depois, ela me fez vestir uma blusa branca toda aberta nas costas, e mais nada. Para rematar, ela puxou o decote da blusa expondo meus seios.

Nós então voltamos para o estúdio, onde Paulinho nos esperava, maravilhado com o resultado. Nós começamos as fotos eu ajoelhada, e Mei Li em pé, bem dominadora. Foram várias posições, até ela me por de quatro, com um pé apoiado nas minhas costas. Depois, ela ajoelhou e enfiou o dedo no meu cuzinho. Eu nem esperava aquilo, mas confesso que estava muito excitada com a situação. Ela então baixou e começou a lamber minha xoxota, enquanto tirava e enfiava o dedo no meu cuzinho, o que continuou até que eu gozasse.

Ela me fez deitar e sentou no meu rosto, para que eu lambesse sua xoxota, enquanto ela tocava siririca no meu grelinho. Eu estava surpresa comigo mesmo, de fazer tudo aquilo com uma pessoa que nunca tinha visto antes, mas eu confiava em Paulinho. A coisa continuou com diversas variações, até que terminamos com um 69, primeiro ela em cima, depois eu, enquanto Paulinho batia uma punheta. Foi uma da vezes mais memoráveis, e ainda guardo dois quadros que ele pintou dessa série.

Um dia, liguei para ele, mas o telefone só chamava. Fui até a casa, mas ninguém atendeu o portão. Meses depois, encontrei com Laure, que tinha voltado da Europa, e ela me disse que Paulinho tinha adoecido seriamente e os filhos tinham decidido levar ele para Santa Catarina, onde moravam.

Nunca mais soube de Paulinho ou o que foi feito de seus quadros. Ainda guardo alguns que ele me deu, mas só. Fiquei com muito dó, pois realmente ele era gentilíssimo, e um amante excepcional, apesar do problema de ereção. O lado bom foi que conheci Laure, com a qual ainda viveria algumas experiências bem interessantes, que contarei depois.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive echibid a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
13/08/2019 22:43:37
Parabéns

Online porn video at mobile phone


Contos da tulaxisvido filha bricano co paicomtos eroticos de casal de bh coroa muito gostosa c corno no bailher de carnaval ano 2018 c negaodago do r**** gostosa de short curtofilhaviu o pai pelado e virou a bunda pra ele comerSou coroa casada os mulekes rasgaram minha calcinhachupando o grelinho dela porbodoidohttp://porno contos eroticos meteu e gozou dentropornô doido um pau inacabavel para elame punhetaramxvideofude.mania.noviaver vidio reau casada levou uma pica tao grande na buceta ela chorrouconto erotico meu marido me viu dando o cu e gostouporno penis grotesco baixar video curtopedemo avijidade da mauviacontos eiroticos leilaporneu juro que meu sogro me fudeutransandp no presidio com a maixvideos velhsriascontos erotico meu marido me flagrou de baixo de outro machonossa gozei dentro to ferrado xvideoscontos eróticos de estrupo entrepadrinhos e afilhadaPorn conntos erotico pastor fode a esposa do obreiroocontos eiroticos leilapornsexos de negues arregaçando xoxotasdwu sonifero pra comer a netinhax vidio pinto arregassano bucetaamigos fodem o casal bi que arranham na rua pornovideo caseiro crossdresser atende entregador de calcinhacontos de cú de solteironacontos eroticos sobrinha novinha peidando de tensaoesposa revoutada com o marido da o cu na frente dele pornodoidoconto erotico sexo com soldadowww.xvideo penis realístico 18x4video porno gay chatageado meu o namorado da irma xvideomAmAe fiz porno2017x videoenteada morena da bunda empinada dando ocupadoHomempauzao analcontos minha mulher toda siliconada virou p*** do dono da academiaconto erotico fiz sexo com meu alunohistorias eroticas gaysegurança negromulher casada d vicosa mg d calca apertada na bucetamorena sendo arombada por rola de40centimetros entra todinhadopei ela e fodi gostoso x video Vanessa Meu voyer filholipesonhador casa dos contos gayBucetainchadaxvideomobilevidios porno d braziliras no concuso quem cosegi beber mais pora porno doidoxvideo fudir uma gatinhar manhosacontos eróticos de submissão e pregadores nos seiosfilme pornô brasileiro loira bem gostosa lycra Berto Filhoessa ai.e putaxvideosensinei minha filha a transarmarido o patrao molsta a esposa dele e fode o cu dela ela chora muitoflagrei a novinha fudendo no mato e chantagiei contosenfiar mangueirá liguada no cu da guarotaContos eroticos .meu filho vive me encoxando sinto seu peniscontos eroticos de incesto no coloAnitta gostosa dançando pelada com peito de 25cm por favorconto erotico dormindo e encoxada por estranhoesposa pelada curva para pegar sabonete marido pirocudo come cu dela semela espera ela grita"porno doido trannza durode saiamulheres que nao aguentaram dar o rabo pra bem dotadosincesto no colo do papai tomando cafe sem calcinhacrente safada contosmulheres dando a b***** nas posições do mais Lambada pau entrando com muita forçanovinha alemã da xana lisina abrindo a portanora da bobera e leva rolareymer ,eroticoconto gay guilherme e felipecoletâneas paraense 2018 xvideos.comzoofilia cachorro engatado com mulher g************* de dias corridoseu quero ver o vídeo do ML pegando os mortos arretandocontos mae gostosa peituda de baby dollponodoido cenas muito fortepersonal dotado botando a loira pra chupar seu piruzao ela ver volume do shorteCharlene muito gostosa fode com negão dotadoGostosas mostrando a caucinhA ma ruo vizinho safado do 205meu vizinho esfolava minha bucetinhacontos de crossdresser forçadomeninos novínhos gays tomano banho de cueca bracaestuprador cunhadinha chupando ela de armaxvideos Botando rola Pra Fora E sarrando bem gtzconto erótico minha sogra me deu na quarentenabuceta dq mulher esgacada ganhanfo brbemamae grita com rola na bućeta peludacomendo a mamae por engano em contos buctao da jisleneVamp19 O doce nas suas veias - (Capitulo 2) | zdorovsreda.ruContos escrava submissa humilhadamarido recuza amulhe gostoza e la fode com vizinhoesposa fica brava amate gosa dentro xvidiomeu sogro queria dupla penetracao com minha sogro veridico