Memórias de uma exibida (parte 75) – O pintor

[email protected]

Todos sabem que Du é meu “namorido” desde muitos anos, e que ele é mais velho que eu. Contudo, antes dele também teve outro homem maduro, embora fosse uma relção totalmente diferente.

Eu perdi a virgindade aos 18 anos, como o meu namorado na época. Eu pensava que ficaríamos juntos sempre, mas a verdade é que ele logo cansou de mim e começou a procurar outras garotas. Eu dei um fim na relação, embora sentisse muito a falta dele.

Um dia, estava sozinha na praia mais frequentada de minha cidade. Havia um lugar que eu gostava, onde o dono da barraca me conhecia desde criança. Eu costumava forrar minha toalha na areia e deitar de bunda pra cima, soltando o top, pra ficar só com a marquinha da calcinha.

Era comum uns turistas estrangeiros ficarem enchendo o saco, mas o dono da barraca sempre vinha em minha proteção. Nesse dia, eu estava meio sonolenta, mas observei que um casal sentava numa mesa perto de onde eu estava. A mulher deixou as coisas dela e saiu, sem que eu prestasse muita atenção nela.

O cara, entretanto, ficou me olhando o tempo todo. Ele era velho (quando se tem dezoito anos, todo homem maduro é velho), estava com um chapéu panamá e uns óculos rayban tipo aviador. Ele vestia uma blusa de algodão cru e calças jeans bem desbotadas. Parecia ser um hippie perdido no tempo.

Eu comecei a ficar incomodada com aquele olhar constante. Lá pras tantas, eu amarrei o top no lugar e me levantei, indo até ele:

- Está gostando do que está vendo? Mas, saiba que não está à venda!

Ele me pareceu sinceramente surpreendido. Tirando os óculos, ele levantou e falou com uma voz bem suave e agradável:

- Senhorita, eu peço mil perdões se a incomodei, se eu estava olhando, é por pura admiração, poucas vezes vi uma mulher tão bonita como você.

O jeito dele era tão sincero que me desarmou. Percebendo alguma coisa, o dono da barraca veio até nós e disse que aquele senhor era um amigo, e também um assíduo frequentador do lugar. Percebendo minha confusão, o senhor convidou-me para sentar:

- Por favor, senhorita, permita-me oferecer uma bebida para desfazer o mal-entendido.

Nós sentamos na mesa e ele se apresentou, disse que seu nome era Paulinho, que tinha setenta anos, era pintor e um eterno apreciador da beleza feminina. Eu achei engraçado uma pessoa daquela idade gostar de um nome no diminutivo, mas ele disse que todos os seus amigos o tratavam assim.

Enquanto conversávamos, a mulher que viera com ele chegou. Na hora eu fiquei abismada com a beleza dela. Laure era uma mulata clara muito alta e esbelta, mas com a bunda bem carnuda e as coxas roliças, resultado do casamento de um francês com uma brasileira. Ela tinha os traços finos e os cabelos crespos, que usava presos em cima da cabeça. Apesar de ter um jeito maduro, ela era apenas dois anos mais velha que eu.

Quando soube da confusão entre nós, Laure riu muito, e me assegurou que Paulinho era a pessoa mais doce que ela conhecia. Eu perguntei se eles eram namorados, o que ela respondeu com outra risada:

- Eu bem queria, mas ele só me quer para posar para os quadros dele.

Eu fiquei bem curiosa sobre o assunto, e Paulinho então me convidou para ir com ele e Laure na sua casa, para conhecer o seu trabalho. Como a casa dele ficava num bairro vizinho ao meu, resolvi aceitar o convite.

A casa ficava numa vizinhança tranquila, cheia de árvores, e ocupava uma área bem grande. Ao entrarmos vi logo uma piscina, e a casa formando um L. Ele explicou que a parte maior era onde ficavam salas, quartos, cozinha, etc, e no outro lado era o estúdio dele.

Havia quadros por todo canto, sempre de mulheres, a maioria nua, e o rosto nunca era reconhecível. Mesmo os quadros de Laure eram assim. Ele disse que costumava fotografar as modelos com uma polaroide e depois pintava o quadro, destruindo a foto depois.

Enquanto ele ia buscar bebidas e petiscos, Laure e eu fomos para a piscina. Ela logo tirou o top, ficando só com a calcinha do biquine. Eu perguntei se podia fazer o mesmo e ela disse que sim, que Paulinho estava acostumado com mulheres nuas o tempo todo.

- Desculpe a indiscrição – perguntei – mas vocês são amantes?

Ela olhou para ver se ele não estava perto e segredou que ele tinha algum problema de saúde que não conseguia ter ereção, mas adorava ver ela se masturbando. Ela também disse que algumas vezes ele tinha feito sexo oral com ela, levando-a à loucura.

Quando Paulinho chegou com uma bandeja repleta, nós duas estávamos com os peitos de fora. Ele não se surpreendeu, apenas sorriu, deliciado:

- Que visão linda! Adoraria depois tirar umas fotos de vocês para fazer uns quadros.

Nós ficamos conversando, bebendo e trocando ideias, até que ele convidou para conhecer o estúdio. Este era um galpão cheio de material de pintura, e em um canto havia um tablado com um fundo infinito. Ele pediu para Laure ir primeiro, pois já estava habituada com o trabalho.

Para minha surpresa, Laure subiu no tablado e desamarrou a calcinha, deixando escorregar pelas pernas. Ela ficou completamente nua na nossa frente. Pelo jeito, ela costumava sempre se bronzear de topless, pois a única marca que tinha era um pequeno triângulo no rego da bunda e a própria xoxota, com um tom de pele mais claro que o resto do corpo. A xoxota estava raspadinha, a menos de um pouquinho de pentelhos do tamanho de uma moeda em cima do púbis.

A garota era incrivelmente bonita, e vendo-a assim, nuazinha, fui assaltada por muitas sensações. Enquanto ficava com inveja por ela estar assim tão desinibida, também fiquei com um tesão louco, morrendo de vontade de chupar aquela xoxota.

Paulinho foi sugerindo algumas posições, que ela atendia sem titubear, mesmo as mais reveladoras, como uma ajoelhada, com a bunda bem para trás, o cuzinho castanho escuro bem saliente.

Depois, Paulinho perguntou se eu não queria experimentar. Eu ainda estava com a calcinha do biquine, mas fiquei com vergonha de tirar. Ele sugeriu várias poses também, embora mais tradicionais do que tinham sido as de Laure.

Laure então sugeriu posarmos juntas. Ela ficou ao meu lado e fizemos várias fotos, abraçadas, tocando o corpo da outra. De repente, ela sugeriu que eu tirasse a calcinha. Sem pestanejar, eu tirei e joguei de lado, ficando as duas nuazinhas.

As poses foram ficando mais ousadas, nós pegávamos nos peitos e na xoxota da outra. Ela passou o dedo entre os lábios de minha xoxota e viu que eu estava molhadinha, sussurrando “safadinha”, enquanto deslizava o dedo acariciando meu cuzinho.

Eu estava muito excitada mesmo, e quando ele sugeriu que a gente se beijasse, foi a centelha que estava faltando. Nós nos beijamos apaixonadamente, cada uma com a mão na xoxota da outra, tocando siririca descaradamente. A gente começou a arfar e gemer, e logo estávamos gozando sem o menor pudor, na frente de Paulinho.

Laure me deitou no tablado, abrindo minhas pernas e encaixando as dela, de maneira que nossas xoxotas se tocassem. Ela começou a mexer os quadris, fazendo as xoxotas se esfregarem, e como estávamos super excitadas, parecia que estavam ensaboadas.

Depois de mais uma gozada gostosa, Laure deu a volta por cima de mim para fazermos um 69. Enquanto minha xoxota é bem fechadinha, a dela ficava com os pequenos lábios sobressaindo, e eu chupava com um tesão, enquanto ela lambia a minha.

Eu lambia a xoxota toda, procurando alcançar o cuzinho com a língua, depois voltava para baixo. Depois que eu gozei, me concentrei em lamber o grelinho dela, ao mesmo tempo que enfiava a pontinha do dedo naquele cuzinho chocolate.

Não demorou para que ela gozasse também. Ela rolou e deitou ao meu lado, para recuperarmos a respiração. Paulinho tinha colocado a câmera de lado, e estava acariciando o pau. Ele perguntou se podia tocar uma punheta olhando a gente. Eu concordei, e ele pediu para fazermos de novo o 69, trocando as posições.

Eu fui para cima de Laure, arreganhando bem a bunda enquanto abria as coxas dela e voltava a lamber aquela xoxota gostosa. Ela também lambia a minha, enquanto passava a pontinha do dedo no meu cuzinho.

A sensação era deliciosa, e vi que Paulinho tirava várias fotos girando ao nosso redor. Depois, ele sentou perto da minha bunda e tocou a punheta, enquanto olhava Laure chupando minha xoxota e enfiando o dedo no meu cuzinho.

Depois de gozarmos muito voltamos para a beira da piscina, as duas completamente nuas. Paulinho estava feliz, e disse que tinha material para pintar muitos quadros.

Alguns dias depois, Laure foi para a França, para um ano de intercâmbio. Eu voltei algumas vezes à casa de Paulinho, para posar para ele. Na primeira vez que fui, fui logo subindo no tablado e tirando a roupa, ficando logo nuazinha. Ele foi pedindo algumas poses cada vez mais ousadas, mostrando a xoxota, o cuzinho, de quatro, etc.. Por fim, eu fiquei sentada com as pernas abertas, e comecei a tocar uma siririca. Ele deu uma risada e disse que Laure tinha conversado muito comigo.

Me pegando pela mão, ele convidou para ir para o quarto. Nós sentamos na cama, eu encostada na cabeceira, com as pernas bem abertas, voltando a me acariciar. Eu continuei até gozar, e ele pediu para eu ficar de quatro na cama. Eu obedeci, e ele começou a lamber meu cuzinho, enquanto acariciava meu grelinho. Laure tinha razão, o homem era um espetáculo com a língua e com o dedo!

Eu devo ter gozado umas mil vezes, com ele chupando minha xoxota e meu cuzinho. Depois ele mandou eu deitar de bunda pra cima, com as pernas bem abertas, enquanto ele batia uma punheta me olhando. Mesmo exausta, eu ainda passei a mão debaixo do corpo e fiquei tocando siririca até ele gozar.

Teve uma vez em que ele pediu para ir na casa dele, para fazer uma série especial. Quando eu cheguei, vi que tinha uma mulher com ele. Ele me apresentou como Mei Li, uma chinesa nascida no Brasil, e que era muito ligada em fetiches. Ele queria tirar fotos de nós duas, e para isso, eu deveria obedecer tudo o que ela mandasse fazer.

Mei Li era magra e delicada, uns dez centímetros a menos que eu, com o cabelo liso cortado bem curtinho. Como toda oriental, tinha os peitos pequenos, mas a bunda era carnuda e empinada. Ela tinha as coxas relativamente musculosas, o que devia ser resultado de muita atividade física.

Nós fomos para o quarto, e ela mandou eu ficar nua. Ela também tirou a roupa, ficando só com uma calcinha fio dental. Ela mandou eu prender o cabelo para não molhar, e literalmente me deu um banho completo, ensaboando e esfregando peitos, cuzinho e xoxota. Depois de me enxugar cuidadosamente, ela mandou que eu fizesse duas tranças no cabelo e aguardasse que ela iria me maquiar.

Enquanto eu obedecia, fiquei observando-a tomar banho. Quando ela tirou a calcinha, vi que ela também trazia a xoxota raspadinha, mas deixara um filete vertical de pentelhos em cima do púbis. Ela se enxugou rapidamente, e veio me maquiar. Na verdade, além de uma leve base para clarear o rosto, o único detalhe foi um batom bem vermelho.

Depois, ela mesma se maquiou, com uma sombra escura nos olhos, e um batom violeta nos lábios. Ela então vestiu um corset que deixava os peitos expostos, e umas botas que tinham até o meio das coxas, ficando com a xoxota e o cuzinho de fora. Depois, ela me fez vestir uma blusa branca toda aberta nas costas, e mais nada. Para rematar, ela puxou o decote da blusa expondo meus seios.

Nós então voltamos para o estúdio, onde Paulinho nos esperava, maravilhado com o resultado. Nós começamos as fotos eu ajoelhada, e Mei Li em pé, bem dominadora. Foram várias posições, até ela me por de quatro, com um pé apoiado nas minhas costas. Depois, ela ajoelhou e enfiou o dedo no meu cuzinho. Eu nem esperava aquilo, mas confesso que estava muito excitada com a situação. Ela então baixou e começou a lamber minha xoxota, enquanto tirava e enfiava o dedo no meu cuzinho, o que continuou até que eu gozasse.

Ela me fez deitar e sentou no meu rosto, para que eu lambesse sua xoxota, enquanto ela tocava siririca no meu grelinho. Eu estava surpresa comigo mesmo, de fazer tudo aquilo com uma pessoa que nunca tinha visto antes, mas eu confiava em Paulinho. A coisa continuou com diversas variações, até que terminamos com um 69, primeiro ela em cima, depois eu, enquanto Paulinho batia uma punheta. Foi uma da vezes mais memoráveis, e ainda guardo dois quadros que ele pintou dessa série.

Um dia, liguei para ele, mas o telefone só chamava. Fui até a casa, mas ninguém atendeu o portão. Meses depois, encontrei com Laure, que tinha voltado da Europa, e ela me disse que Paulinho tinha adoecido seriamente e os filhos tinham decidido levar ele para Santa Catarina, onde moravam.

Nunca mais soube de Paulinho ou o que foi feito de seus quadros. Ainda guardo alguns que ele me deu, mas só. Fiquei com muito dó, pois realmente ele era gentilíssimo, e um amante excepcional, apesar do problema de ereção. O lado bom foi que conheci Laure, com a qual ainda viveria algumas experiências bem interessantes, que contarei depois.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
VIC
13/08/2019 22:43:37
Parabéns

Online porn video at mobile phone


conto erotico de carol cavalairmãzinha enxergou a bundinha no pau do irmão gente comeu seu c****** XVídeosvideos porno para ver agora mae de 25 anos gostosa aproitar q a filha sai e esfrega mo genrocontos eroticos bruçoscontos eroticos filha novinha fazendo uma chupeta pro seu pai do pau de trinta centimitroVamp19 O doce nas suas veias - (Capitulo 2) | zdorovsreda.ruvídeo pornô com mulher trepando bem muito toda suada suor pingando conto gay o meu sonho de consumo xvideo de rodinha da sarrada e chupadinha no baile funksobrinha e tia com pai potaria brasileirofilmes de sexo so conegona gorda da buceta inchada e cabiludacontos eroticos urei de tanto gozar minha buceta inchadaflagrei minha cunhada xoxotudaXvidio coroa gostoza da ponovinho fala potuguesxvideos novinha aprendendo a polotar motocontos eróticos minha mãe me fez perder a virgindadecontos eiroticos leilaporno homem pegando a mulher traindo ele em casa lavando secando a madeira no rabinho delafilho chupando a mae com gemecaosuruba em familia so sexoconto coneu o cachorro a força xvideo das baroas fudedo na fazendasxvideo cosolo cabssinhocontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgehttp://porno contos eroticos meteu e gozou dentroContos.shortinho.curto.enlouquece.filhoFotos de sexo lesbico entre vilma e bettymeu professor de natacao me comeu gay contoporno mãe possuir segredo fudendo escondido do maridocorno levou esposa pros caminhoneiros foderem contosarra no pau de calça jeansputaobucetaoxvideos clube das mulheres subindodo escadaxvidei de hmen batendosexo esposa setorcendo sentada num pauzao homen andando com um plugue anal atolsdo no cuIsac -Hugo |Contos Eroticos zdorovsreda.ruestupro esposa contos eroticosgerusa chupando minha picaxvideos vovo aregassa novinhogordinha com a sua bucetona peidona contos eiroticos leilaporncontos eroticos fode Frouxovideoxxx contos eroticos tia bunduda madura ganhando leitinho do sobrinho.apaixonado por dois brutamontes da faculdade 12loira tranzado com um banhanomorena muito gostosa dano o curzinho para o seu irmaoemtiadas xvdExércitovidioporno gey contos eroticos ferias c priminho novinhothayza a filha do patrao pornofesta de cdzinhas no cine porno 2017mau encostei a penis no cuzin dela ela ja se gozou todaela e nossapara foder contosNovinha rabetao transando com cara calsadoconto + de conchinha com meu filhoContos eroticos de estupro concentidoflime porno mulher pegar homen no fraga nus furtapornomeu corno troxe um negão para me foder e tirou fotosxvıdeo novınha gozando muıtoenrabando cunhada e sobrinha contocontos eiroticos leilapornmulher gosando de mas qe xega espirra lange.comcontos gay virei menina sissyzoofilia cachorro engatado com mulher g************* de dias corridosMinha irma adolecente taradinha em conto eroticoxvpaniqueticontos eroticos fudendo com a síndica do prédiomorena vai tocar campainha na casa do negao careca e fode com elexvideo gay.novinho nao aguenta fumo do branquinhoVideo de duas mulheres tomando banho de biquini e se chupando e gritando de prazerhistoria-erotica de entiado bem dotado fudendo a entiadacontos eroticos madame bunduda submissa completaxvidio.com puchei a casinha delaconto viadinho gosta de ser fudidovedeo estropadoe es tropando molheriscontos erotico,meu genro me enrrabou dormindogostosas da vunda durinha esfregando na linguavidio corno mulher pedio aregoquero ver sexo com patroa lesbica seduzimdo sua enpregada e fazendo sabao com ela no aeu quartopau alejado fodeno estourado abusetafazendo empregada gozarConto porno de incesto de pastoencontrar casadafoneContos eroticos de podolatria com fotos desejando chupar os pes bonitos de primasapaixonado pelo meu primo brutamontes 2temporadabunda nervosa caralho gozoumeu cu geme pornopai picudo comendo filha em Belémcontos eroticos empregada idosa e a patroa