V de Vingança - I

Um conto erótico de Vitor
Categoria: Homossexual
Data: 11/06/2019 00:08:04
Última revisão: 17/06/2019 14:47:32
Nota 10.00

A vista era bela, uma cobertura em um prédio de luxo, lá em baixo eu via aquele belo Horizonte. Mas não era ali que estava os meus pensamentos.

- Por que está tão pensativo Vitor? – Hugo me perguntou.

- Hoje seria o dia que eu sairia da cadeia. Cumpriria 1/3 da minha pena. – Eu respondi. Enquanto olhava para aquela aliança.

- Você tinha que ter jogado isso fora, ou melhor deixado ser enterrado com aquele corpo. – Hugo me disse.

Eu o ignorei. Tomei mais um gole de Whisky e fiquei vendo a vista sentado naquela cadeira confortável. Me lembrei do julgamento.

ANO2012.

_Como se declara? – O juiz perguntou.

- Inocente. – Respondi irritado.

Eu não podia acreditar que havia chegado naquele ponto. Como eu poderia estar sendo julgado. Assassinar uma mulher que eu nem conhecia. Como ela foi parar na minha cama toda ensanguentada, com uma faca em seu peito. Como ela entrou na minha casa enquanto não tinha ninguém em casa?

O promotor me acusava dizia que ela era minha amante, que em sua casa tinha presentes que eu havia dado, da mesma loja que eu comprava as joias para a minha mulher, registros de ligações. Eu já estava condenado antes mesmo do julgamento. Imprensa e opinião publica já haviam decidido o meu destino. Eu ser rico, não me ajudou apesar de pagar bons advogados foi tudo inútil. Consegui responder em liberdade, mas daquele julgamento eu iria direto para a prisão.

- 18 anos. Vocês vão acabar com a minha vida. – Eu gritei.

- E a vida desta jovem? – O promotor me mostrou a foto daquela bela garota morta na minha cama. – E a vida dela?

- Vamos recorrer, pedir redução de da pena. Se você tivesse assumido poderíamos ter conseguido uma pena menor. – Meu advogado disse.

- Nunca, não vou dizer que sou assassino para reduzir a minha pena. – Eu disse.

- Então vamos recorrer na pior das heptoses você sai para condicional em seis anos. – O Advogado disse.

Olhei para trás, vi a minha esposa, toda de preto como se estivesse de luto. Ela havia saído de casa, não acreditou na minha inocência. Se nem ela acreditava como eu poderia querer que um júri acreditasse. Seu depoimento também não me ajudou. Ela disse que desconfiava que eu tinha uma amante, que o casamento não ia bem. Eu chorava. “Eu não fiz isso. Não é justo”.

Dias atuais

- Onde você está Vitor? – Hugo me perguntou.

- No meu julgamento. Como não percebi que armaram pra mim. Estava tudo planejado. Me lembro da Gabriela com aquele chapéu, óculos escuros, toda de preto. Marcos ao lado dela, a confortando. Traidores. Eu amava aqueles dois.

- Eles terão o que merecem Vitor. Tem seis anos que estamos planejando isso. Você terá a sua vingança. – Hugo me disse.

- Sim meu amigo. Amanhã começamos. – Eu disse terminando aquele copo.

Fui para o meu quarto. Um quarto confortável e cheio de luxo. Bem diferente do que tive na minha infância.

- Você precisa relaxar meu amigo. – Hugo disse se aproximando de mim. – Deixe eu te ajudar.

Hugo massageava a minha nuca e meus ombros, eu sentia a sua mão espremendo os meus nódulos, comecei a me sentir aliviado.

- Me conte a sua historia Vitor. – Hugo me pediu.

- Mas você já sabe. – Eu respondi.

- Sim, mas você relaxa, você ganha forças ao conta-la. Me conte novamente. – Hugo pediu.

- Minha mãe foi uma verdadeira guerreira. Me criou sozinha. João Victor da Silva, meu nome de batismo. Nome que eu abandonei, que esta na certidão de óbito. Minha mãe nunca havia me falado do meu pai, mesmo eu tendo insistido bastante. “Somos apenas eu e você contra o mundo” Minha mãe dizia. Ela apesar de não ter feito uma faculdade se esforçou muito para eu conseguir entrar em uma. Como estudei em uma escola publica de periferia, ela juntou dinheiro para me colocar em cursinho, um dos melhores da cidade para me preparar para entrar em uma faculdade publica.

- Sua mãe mereceu tudo que você fez por ela. E ela vai entender quando voltar. – Hugo me disse.

- Eu espero que sim. – Eu disse. – Eu espero que ela me perdoe.

- Ela vai te perdoar. O amor de mãe não tem outro igual. – Hugo disse. – Continue sua historia.

- Quando eu era um adolescente eu não era bonito. Apesar de ter uma pele clara e cabelos bons e olhos verdes, isso não me fazia bonito. Essas eram as características do meu pai. Da família da minha mãe veio a boca carnuda, um nariz largo e grande, orelhas de abano, dentes tortos, pelo menos veio uma coisa boa, um pau grande. – Eu disse rindo.

- Mas agora você não é mais assim. Nem gordo como quando eu te conheci. – Hugo disse.

- Não, tem razão não sou. Mas na minha adolescência nenhuma garota se atraiu por mim. Entrava em salas de bate papo a procura de um amor, todas amavam o meu pau, mas quando viam o meu rosto se desconectavam. – Eu disse.

- Mas algo mudou, não foi? – Hugo me perguntou ainda me massageando.

- Quando eu conheci o Marco, foi em 2004 no cursinho. Eu me destacava naquele ambiente, por ser feio, pobre e muito inteligente. Eu saia da minha escola de manha e ia para o cursinho a tarde, almoçava salgados na rua e chegava cedo no cursinho e ficava lá estudando. Ninguém sentou próximo de mim. Senti como se eu tivesse uma doença contagiosa. A aula já tinha começado quando um garoto lindo, perfeito, entrou sorrindo, apresado ele se sentou ao meu lado. “Boa tarde. Perdi alguma coisa?” Ele me perguntou. “Não. só a enrolação inicial” eu respondi e ele sorriu pra mim. Eu não sorri de volta sempre escondia o meu sorriso, aqueles dentes tortos, você se lembra Hugo.

- É eu me lembro. – Hugo disse sorrindo.

- Marcos se apresentou pra mim, pegou na minha mão. No final da aula eu não conseguia mais esconder o meu sorriso, Marcos era muito engraçado e me fazia sorrir o tempo todo. Ele era inteligente, percebi que a maioria dos jovens que estavam ali realmente tinha o objetivo de passar no vestibular. Passei metade do ano naquele ritmo, percebi que eu estava engordando e ficando ainda mais feio, mas não me importei era o que o dinheiro dava para comer, porcaria. Um dia sem querer escutei uma turma de pessoas bonitas falando de mim, me apelidaram de Quasímodo, apesar de não ser corcunda eu era feio. Isso me deixou chateado. A turma sorria. Percebi que Marcos, quem eu já considerava como um amigo estava no meio. Ele não sorria. “Não falem assim dele. É um cara muito gente boa e inteligente.” Marcos disse, quando um rapaz respondeu “Não estamos falando mal dele, mas você tem que concordar que ele é muito feio”. – Eu disse.

- E o que o Marcos fez? – Hugo me perguntou como se não soubesse da minha resposta.

- Disse que eles eram muito idiotas e se afastou deles. Eu fiquei contente por ele me defender. Naquela mesma noite tive o meu primeiro sonho erótico com um homem. Com o Marcos. Estávamos em uma sala bonita quando ele se aproximou de mim e me abraçou. Naquele abraço eu senti o seu corpo no meu, senti que ambos estávamos excitados e nos beijamos. Acordei assustado. Senti que eu estava começando a confundir as coisas. Eu não me sentia gay e se fosse também não me importava. Sabia que iria morrer virgem sendo gay ou hétero.

- Mas você estava errado. – Hugo disse.

- Estava. – Eu disse. - Os sonhos se tornaram-se recorrentes, em cada sonho avançávamos mais, algumas vezes eu nem sonhava, me masturbava me lembrando dos sonhos, do Marcos pegando no meu pau e eu no dele, a gente se chupando e eu o penetrando. Passei a ver filmes pornôs gay e percebi que aquilo também me excitava. Comecei a reparar mais ao meu redor. Percebi que mesmo feio alguns homens se atraiam pelo meu volume. Uma vez em um ônibus um homem nada bonito e nem atraente começou a relar em mim. Não gostei de sentir um desconhecido relando na minha bunda, em me virei de lado o homem não parou, ele levou as costas da sua mão até o meu pau e começou a acaricia-lo. Eu fiquei excitado. O desconhecido gostou e levou a sua mão para dentro da minha cueca. Eu gozei em sua mão. Isso se repetiu algumas vezes quando nos encontrávamos no ônibus cheio. Eu gostava daquilo. Passei frequentar o banheiro de um shopping próximo ao cursinho. Muitos homens ficavam se masturbando no mictório. Bastava eu colocar os meus 20 cm pra fora que logo eu era convidado para entrar em alguma cabine e ser chupado.

- E como perdeu a sua virgindade? – Hugo me perguntou.

- Foi em uma dessas cabines no banheiro do shopping, eu tinha 18 anos. Transei com um cara na faixa dos 40, um homem bonito com uma bunda gostosa. Ele começou a me chupar, disse que meu pau era uma delicia tirou uma camisinha do bolso e colocou no meu pau. Ficou de quarto pra mim. Ele passou saliva no seu cu e eu meti. Aquilo foi ótimo. Mesmo não sendo mais virgem eu ainda não havia beijado. – Eu disse.

Já sentia que estava excitado, Hugo percebeu. Ele trocou os seus dedos pelos seus lábios. Hugo beijava o meu pescoço eu me virei pra ele e olhei em seus olhos, ele sorriu e me beijou. Eu realmente estava precisando daquilo.

Em pouco tempo estávamos nus, Hugo beijava todo o meu corpo. Meu pau estava duro como pedra.

- Eu adoro o seu pau. – Hugo disse antes de coloca-lo na boca.

Hugo me chupava com vontade. Algo que ele sempre gostou com outro homem era chupar o seu pau. Descobri isso nos primeiros meses naquele presidio. Hugo sabia chupar, seu boquete era simplesmente maravilhoso. Ele passava a língua na cabeça e por todo o troco do meu pau. Chupava as minhas bolas e depois engolia o meu pau. Sentia a cabeça do meu pau dentro da sua garganta eu o fodia com força. Hugo sugava o meu pau me fazendo gozar e engolindo toda a minha porra.

Gozar, dar o meu leite para o Hugo nunca era suficiente, ele sempre queria mais, me masturbava forte, passava os seus dedos na cabeça do meu pau, me fazia sentir cocegas, dor e prazer ao mesmo tempo. Meu pau estava duro de novo. E Hugo me chupou por mais meia hora para me fazer gozar novamente.

- Durma bem meu amigo. Amanhã é um dia importante. – Hugo me disse saindo do meu quarto.

Acordei cedo no dia seguinte. Tomei aquele banho e fiquei me encarando no espelho. É claro que eles não me reconheceriam. Nem eu me reconhecia. Com algumas cirurgias estéticas eu não tinha mais aquela orelha de abano nem aquele nariz largo. Meus lábios também passaram foram diminuídos. Meu rosto estava mais harmônico, como disse o médico. Sim, me transformei em um cara bonito, bonito mesmo. Quando dizem não existe pessoa feia e sim pobre, isso é verdade. Meu corpo também estava legal, mas isso não foi cirurgia e sim exercícios no pátio do presidio, a correção dos meus dente também foram feitos na cadeia.

- Está pronto para a nossa reunião? – Hugo me perguntou. – Enfrentar o seu passado.

- Espero por isso há seis anos. – Eu disse.

Fomos para aquele prédio bonito em um bairro nobre e empresarial da cidade. Lembro quando a Gabi me convenceu a alugar uma sala naquele prédio. Eu achava chique de mais para alguém que estava começando. Mas ela disse que eu tinha que parar de pensar como pobre, que agora eu tinha dinheiro, seria bom ter esse status. Marcos ficou convencido e eu acabei cedendo. Começamos com uma sala pequena no segundo andar e antes daquela injustiça já estávamos com um andar inteiro lá no alto. Aguardamos um tempo na recepção.

Poucos rostos eram familiares. As pessoas que eram mais próximas a mim não estavam mais lá. Exceto por uma mulher, minha antiga secretaria, que passou por mim me encarando. Isso me deixou nervoso. Mas talvez ela tenha me encarado pelo fato de eu tê-la encarado também.

- Podem, entrar. O Dr. Marcos aguardam vocês. – A recepcionista disse nos levando para a sala de reunião.

Doutor Marcos? Desde quando ele possui esse titulo? Talvez seja mais uma frescura que ele ou a Gabriela inventaram.

Marcos continuava bonito, não mudou muito desde a última vez em que eu o vi em meu julgamento. Estava alto, com o seu cabelo castanho sempre penteado, sua pele clara, olhos azuis e um corpo atlético de quem sempre gostou de malhar e correr. Ele estava acompanhado de dois outros homens que eu não conhecia, novos diretores da empresa, e da Gabi é claro, sua atual esposa. Ela não estava tão bonita, acho que o preenchimento de lábios que ela fez estragou um pouco o seu rosto.

- Fico feliz que tenha nos recebido. – Hugo disse.

- Estamos na verdade curiosos. Não temos interesse em um novo sócio. – Marcos disse.

- Mas a sua proposta realmente é interessante. – Um dos diretores completou.

- Uma proposta bem acima do mercado, verdade seja dita. – Hugo disse. Gabriela sorriu.

- Possuímos uma solida empresa, com 10 anos no mercado e em desenvolvimento. – Gabriel disse.

- Não é isso que os números dizem. Realmente os quatro primeiros anos dela foi fantástico, mas os últimos seis anos os números estão caindo, mudanças significativas dos funcionários e dos parceiros, a projeção de vocês não são boas. – Eu disse.

- Então por que o seu interesse, em fazer essa oferta? – Marcos me perguntou.

- Eu tenho interesse nessa área. Posso muito bem abrir uma nova empresa, ser seu concorrente, gastar melhor o meu tempo e dinheiro, ver vocês falindo. Mas não é o que eu quero. Acredito na empresa de vocês. O tempo e o nome que já possuem no mercado tem um significado. Acredito que este é um avião que esta caindo, e precisa de um novo piloto. – Eu disse.

- Essa aeronave já possui um piloto. – Marcos disse nervoso.

- Então um copiloto. – Eu disse olhando para Gabriela, ela sempre foi um enfeite naquela empresa. – Minha proposta é 50% da empresa de vocês. Podem verificar que nossa oferta é baseada no fluxo de caixa descontado, indo contra a tendência de que esta empresa está indo para o buraco. Eu não quero isso, acredito que vocês também não. – Eu disse.

- Lhe daremos um tempo para pensarem na nossa proposta. – Hugo disse.

- Podem aguardar lá fora, por um momento? – Gabriela pediu.

- Perfeitamente. – Hugo respondeu. Nos sentamos na recepção enquanto Hugo colocou os fones de ouvido no seu celular e me deu um fone.

- Não gostei deste homem. – Gabriela disse. – Mas poderíamos vender os 100% pra ele amor. Sabemos que ele está certo, essa empresa está indo para o buraco. Não ganhamos mais dinheiro como antes. Não demos conta de levar isso para frente sem o João.

- Eu não vou abrir mão disso Gabriela. Este é o meu sonho. É o que eu quero pra mim. E não quero alguém de fora vindo aqui tomar conta da minha empresa. Também não gostei dele. – Marcos disse.

Eu olhava para Hugo, já estava acostumado com as suas artimanhas. Ele colocou um ponto e escutávamos tudo que eles diziam lá dentro.

- Acho que esse Vitor está sendo bem razoável em sua proposta. Seu currículo é bom. Ele tem experiência em gestão de empresas como a nossa. Ele pode muito bem se tornar um corrente a nossa altura em pouquíssimo tempo. – Disse um dos diretores.

- Eu fiz a pesquisa sobre ele, não achei nada comprometedor. – Disse o outro.

- Não posso deixar um desconhecido entrar assim na nossa empresa. Na empresa que construí do zero. – Marcos disse.

- Você não construiu essa empresa sozinho Marcos. – Gabriela disse.

- Não, mas o João não está mais aqui entre nós. – Marcos disse.

- Não estou falando daquele assassino. Estou falando de mim. Eu te ajudei nisso. Eu sou parte disso. E eu acho que devemos sim receber esses milhões por parte dessa empresa. Ficamos com a outra metade.

- E em caso de empate em decisões? – Marcos perguntou.

- Podemos colocar isso no contrato. Em caso de empate vocês tomam a decisão final. Afinal vocês dois continuam sendo o conselho dessa empresa. Precisamos deste investimento. – Um dos diretores disse.

- Não, vou colocar esse dinheiro na empresa. Quero a minha parte pra mim. Uma reserva. Não tenho mais reservas. Gastamos o dinheiro do João tentando fazer isso dar certo. E o que deu certo? Eu vendo a minha parte, mas o dinheiro virá pra mim. – Gabriela disse.

- Pra que? Para gastar tudo com futilidade? – Marcos disse nervoso. Escutamos a sua respiração profunda antes dele continuar. – Tratamos disso em casa.

- Eles estão esperando. – Um de seus diretores disse.

- Mande-os entrar. Nós vamos aceitar. – Gabriela disse.

Fomos convidados a voltar para a sala. Marcos quis saber quais eram as minhas ideias para o desenvolvimento da empresa.

- Na nossa proposta demonstramos algumas ideias e as rentabilidades. – Hugo disse.

- Mas foi vago. – Marcos disse.

- Mas é claro. Se eu desse o caminho para o tesouro vocês não precisariam de mim na sociedade. – Eu disse rindo. – Entendo a sua preocupação Dr. Marcos, mas minhas ideias são boas, eu não gosto de perder dinheiro. Assim como muitas empresas vem até a sua em busca de investimentos eu estou fazendo o caminho contrario. Oferecendo o meu dinheiro a vocês. Não se preocupe que eu não busco fazer mudanças drásticas na equipe, apenas criarei a minha.

- Mas temos uma boa equipe. – Um dos diretores disse. – Isso é questionável, a maioria chegou justamente quando a empresa começou a cair. Mas não serei eu que demitirei ninguém. Não tomaremos nenhuma decisão que não seja em conjunto. Podem colocar isso no contrato, eu não importo. Mas faço questão de ser o responsável pela admissão e demissão da minha própria equipe, bem como possuir a verba do meu setor para distribui-la da forma que eu planejar.

Gabriela sorria com um sorriso falso.

- Eu estou de acordo. Marcos? – Ela perguntou.

- Tudo bem. Podem elaborar o contrato. – Marcos disse.

- Sim senhor. Em no máximo dois dias entraremos em contato. – Um dos diretores disse.

- Perfeito. Eu gostaria de fazer mais um pedido. – Eu disse. Marcos me olhou impaciente. – Gostaria de conhecer a empresa.

- Claro, Dr. Vitor me acompanhe. Eu faço questão de guia-lo. – Gabriela disse me pegando pelo braço.

Ela foi me mostrando cada ilha da empresa. Explicando o que fazia cada setor. Quem era responsável pelo o que. Vi a sua sala, a sala do Marcos e a minha antiga sala, agora vazia de pessoas, mas cheia de arquivos.

- Gabriela, onde seria a minha sala? – Eu perguntei. Ela olhou para os lados, claramente perdida. – Olha aquele arquivo, é um desperdício ocupar aquela linda sala com vista para a cidade apenas com arquivo morto. Acho que ali poderia ser a minha sala.

- Claro, providenciarei uma bela sala para o nosso novo sócio. – Ela disse.

- Fico grato. Gostaria de duas mesas na sala. Dividirei a sala com o Hugo. Ele será a minha primeira contratação. Junto com a assinatura eu enviarei os seus documentos para admissão. – Eu disse e mais uma vez Gabriela deu o seu falso sorriso. Como eu gostaria de perceber que aquele sorriso era falso antes.

- Deu tudo certo conforme planejamos. – Hugo me disse quando saímos do prédio e entramos no carro.

- Até agora sim. – Eu disse pensativo. – Não vamos voltar para a casa. Quero passar lá antes. Quero vê-la.

- Não é seguro. – Hugo disse.

- Só quero vê-la de longe. – Eu disse.

Hugo mudou a rota fomos para frente da creche onde minha mãe era voluntaria. Como sempre ela estava na porta esperando as crianças irem embora como os seus respectivos responsáveisMãe eu não quero a senhora vindo neste lugar. É degradante o que a senhora tem que passar para me ver. – Eu disse.

- Não me importo meu filho. Eu sei que você é inocente e não vou te abandonar. – Ela me respondeu.

- Mãe eu não vou ficar muito tempo aqui. Já tenho algo planejado, eu vou sair daqui e me vingar deles. Colocar eles aqui no meu lugar. – Eu disse.

- Não João. Você vai sair daqui em 4 anos eu venho te buscar e vamos começar uma vida nova longe daqui. É só ter paciência e fé em Deus. – Ela me disse.

- Como posso ter fé se eu inocente tenho que passar por isso? – Eu disse.

- Meu filho, nessa vida você é inocente, mas estamos nesta vida para quitar débitos do passado, você sabe disso. – Minha mãe disse.

- Preciso te dizer algo. E eu preciso da sua ajuda. Você é a única em quem eu posso confiar. – Eu disse e puxei ela para um canto onde ninguém prestava atenção na gente.

- Você está me assustando João. – Ela disse.

- Eu preciso que você não volte mais aqui. Preciso que aceitei que eu irei morrer aqui. E quando essa hora chegar você será chamada para reconhecer o meu corpo. – Eu disse.

- Pelo amor de Deus meu filho. Não cometa uma loucura. – Minha mãe disse nervosa quase chorando.

- Não é uma loucura. Não será meu o corpo, mas você dirá que é. Eu preciso que você acredite que o João morreu. E todo mundo acredite também. Eu te prometo mãe, prometo que irei resolver tudo e um dia voltaremos a ser felizes. Eu preciso que faça isso por mim. – Eu disse.

- Não, eu não poso João. Não faça isso, eu te imploro. Não suje as suas mãos meu filho. – Minha mãe disse.

- Não se preocupe mãe. Não sujarei. Não vou matar ninguém. Meu objetivo e mostrar as minhas mãos limpas para o mundo. Confie em mim, mãe. – Eu disse.

Minha mãe foi embora naquele dia chorando. Eu não sabia se ela ia atender ao meu pedido. Mas nas semanas seguintes ela não voltou. E com isso eu soube que podia continuar com o meu plano.

CONTINUA...

xxx ----- xxx

Gostou deste conto? Por favor, vote e comente é a sua forma de me recompensar pelo meu trabalho e também quero escutar a opinião de vocês.

Se ainda não está cadastrado no site, se cadastre é bem simples e rápido. Seus votos e comentários são muito importante para mim é através deles que consigo ver se estou fazendo um bom trabalho e me incentivam a continuar escrevendo esta história.

Prometo a publicação deste conto pelo menos uma vez na semana desde que tenham interessados.

Enquanto não sai o próximo capítulo aproveite para ler os meus outros contos aqui na casa. Acesse o meu perfil //is.one-seo-capital.ru/findporn/perfil/242797

Respondo a todos os comentários dentro do próprio conto após a publicação do novo capítulo. Ou seja, a resposta aos comentários do capitulo anterior provavelmente já estão lá (no espaço destinado aos comentários).

Obrigado.

New_Escritor-BH.

[email protected]

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
05/09/2019 14:11:44
muito bom!
11/07/2019 08:47:55
EITA BOBONICA CONTO MARAVILHOSO VOCÊ É DEMAIS
09/07/2019 19:34:31
Vamos ver o andamento desse conto
09/07/2019 17:37:58
Que Todos os culpados paguem pelo mal que fez ao João
05/07/2019 07:00:46
Eu gostei, você é bom adoro
26/06/2019 23:29:43
Muito empolgante e misterioso...
18/06/2019 00:09:19
Pessoal boa noite. Muito obrigado pelo retorno positivo deste meu novo conto. Valeu mesmo. Saiu a continuação: //is.one-seo-capital.ru/findporn/texto/Agradeço a todas as leituras e principalmente aos votos e comentários @Digsgay – Muito Obrigado. Vai ser explorado tudo, vai ver no próximo capitulo. @Belo Horizonte – Muito obrigado e Parabéns pelo seu aniversário. @VALTERSÓ – Muito Obrigado. Conto com a sua participação. Haverá muitas reviravoltas neste conto pode contar com isso. Vitor quer limpar o seu nome e o seu passado. Vitor acredita que o melhor amigo, Marcos e sua ex mulher Gabriela que colocaram ele nessa situação e busca vingança. Tudo será explicado nos próximos capítulos, haverão muitos flashbacks para mostrar o que aconteceu no passado. @MarCR7 – Fico feliz que gostou. Este conto realmente é para atender ao seu pedido de um conto sobre vingança. Espero que goste. @Geomateus – Muito Obrigado. @AlexsandroAfonso – Fico feliz que tenha gostado. @lebrunn – Muito obrigado mesmo. Espero que goste da sequencia. Realmente muita coisa ainda para serem explicadas. E serão. @Vitinho165 – Muito obrigado. @lari*-* - Muito Obrigado. Prometo a publicação semanal e quando possível tentarei adiantar. @Joseph67 – Muito Obrigado @tiopassivo – Muito obrigado. Fico feliz que tenha gostado. Essa será um pouco mais pesada que a anterior. Leo era um personagem mais “bozinho” que sofreu bullying. Vitor sofreu de verdade, foi pra prisão acusado de assassinato. @Lyuis – Muito obrigado. Fico feliz que tenha gostado. @erika biel - Muito Obrigado. Acredito que está história ira durar alguns bons capítulos
17/06/2019 22:55:46
Me deixou curiosa, quero ver o final dessa história
17/06/2019 06:38:14
Amandoooooo seu conto
17/06/2019 06:38:11
Amandoooooo seu conto
16/06/2019 18:51:55
Agora sim, um conto que me prenda a atenção. super nota 10
16/06/2019 10:27:05
Espero que todos paguem cara, e tomara que o personagem principal não perdoe e se apaixonam por alguém que já fez sofrer tanto. perdoar e bom, mas cometer o mesmo erro e de cara se apaixonar e burrice .
13/06/2019 23:50:08
Já vimos uma ótima história de vingança sua por aqui. Pelo começo, esta será tão boa quanto! Esteja certo de que acompanharei cada capítulo.
12/06/2019 10:44:17
Revenge, muito bom início
11/06/2019 19:50:49
Cara amei de tds os seus contos esse é o melhor. Posta outro dele ainda hj pfvr
11/06/2019 16:38:28
Amo vingança kkk
11/06/2019 11:15:59
Trama de filme Hollywoodiano. Muitas coisas ainda truncadas, mas sei que serão explicadas no desenrolar da história. Você tem se mostrado um mestre da narrativa labiríntica. Avante...
11/06/2019 09:46:47
Interessante
11/06/2019 09:40:11
Eu amo conto com tema sobre vingança. Não vejo a hora de ler o próximo capítulo. Só fico triste e ter que esperar, sou tão curioso demais. kkkkk esse é melhor que o outros. amoooooooo
11/06/2019 09:09:11
Muito bom como sempre um aprendizado

Online porn video at mobile phone


goistosa nuonibuconto erotico velho taradoMulhedoida.pra.goza.cpm.pau.do.cachorrotesaozinho de menina deixando o pai da amiga louco de tesaoporno de mulheres tentando fiji de pica grandetio empurra pau enorme na sobrinha que nao aguenta dez empurrada e goza de esguichartia puta cer rola do sobrim no iotubgordinha pacotao pornodoido calça legepapai me tirou o cabaçoxvideo pau grande lascano cuzio da loira picenanegao arregaca cu de vadia contoscontos fiz minha mulher foder com nosso filhodei promeu dois cachorro nao aguentei conto eroticofotos de homen com short fino dechando a rola sair para forahomens com ginecomastia deixando a mulher mamar pornôta gostando amor cornoperguntaxividio deita vo come teu cuporno. homem. mais. mudculoso. do. Brasilconto erotico sou tratada como puta pelo meu sogro ele adora me chingaras coroas do rodeio no xividiocachorro mete na buceta e sai puxando a dona vídeoxnxx tabareuesquece o Paysandu virgindade da filha bem novinhafui pago pra dar o cu pela primeira vez hetero , sexo gay amadorporno negao fas muleca grintanora safada pega sogro bateno punheta xvodeonegao com pica enorme assusta em despedida de solteirojornalista77 contos eroticoPrefeito Sandy crentinha s***** metendocontoerotico eu namorada mae e tiocheirei a bunda da gorda conto eroticonovinha deixa cao dotado engatao no cu e se arrepende zoofilia gratisXVídeos coroas em carbono com pau do enteadocontos pediu pra ver minha esposa peladaxvidios estorando as prega das cuzudasgozei na pica do cunhado do meu marido contoszóoflia net.comcontos swing dei a minha calcinha para o meu genroxvideo de gordinha praguinhacontos eiroticos leilaporncontorcionista dilataçao anal pornosexo anal sem compaixãocontos de encoxadas em mulheres evangelicas nos transportes publicoscontos eróticos mãe rabuda que não usa calcinha dirigindo e alisando a buceta lisinhaXVídeosporno Malícia pareigorda xorando no piruporno as novinhas cem peito de 8 a 10 perdedo a virgindade pro paiTia brancona mamando leite da pica do sobrinhohistória real irmão bem dotado seduza irmãzinhacontos erticos de gabriele dei minha Buceta pro meu irmo. Contos animados papai tio e padrinho me foderam muito quando novinhavideo de sexo e porno comendo mulheres escodido porbaxo do vestidocontos eróticos minha mãe greludavideo pornodoid homem esferga em tremcontos de incesto irmao assistindo tv com a irma novinha e comendo ela abracado por trasconto de encesto filho 32 de pau quadrinhoconto erotico de brotheragemvídeo de 2 minutos novinhas gostosas galeguinha f****** gostoso e caminho de casaVER MUHER QUE ADORA DAR O CU PARA TRABEDTI DOTADOhome estrupo cu diverdaminha mulher tatuou a dama de espadas na bunda contos eroticoso filho da minha patroa ele foi metendo seu pau na minha buceta virgem que sangro ele começou a fuder minha buceta eu gozei ele fundendo minha buceta ele gozo dentro da minha buceta ele começou a fuder meu cu virgem ele gozo dentro do meu cu quando eu sair do seu quarto minha patroa me frago eu saido do quarto dele minha patroa disse pra mim que eu ia ficar grávida do seu filho conto eróticocontos erotico meu filho me bateu e botou moralminha irmã dormindo com shortinho de Lycra que mudamSaia Desse Barney comendo Vilma na camaPriminha novinha linda dos peitoes metendo com muleque pauzudocomo entroduzir um penes no cu da mulhet com caltelacanto erotico nao resistir e dei a buceta pro marido da minha amigaContos picantes ainda virgem fui abusada por um entregador velhofoto de muie com bucetas largascontos de machos dominando cornos submissosmãe vai no curral e ve o filho com pau duro e fica olhaee transa