Nay Cristina com o velhinho do mercadinho

Um conto erótico de Nay Cristina
Categoria: Heterossexual
Data: 29/04/2017 20:14:54
Nota 9.70

No meu conto anterior, contei como foi a transa com o Josimar e o amigo mendigo dele. Aquele foi só o começo do meu fim de semana prolongado, por causa do feriado. Eu tinha planejado fazer muitas coisas naquele feriado, e aproveitar ao máximo.

Espero que tenham lido os contos anteriores, mas só para lembrar, sou uma mulher de 30 anos, morena, cabelos longos e lisos. Sou magra, tenho seios médios, mas o que chama mesmo a atenção no meu corpo é meu quadril e minha bunda, que é grande e arrebitada.

Para preservar um pouco minha pessoa, pensei que o ideal era eu ir para alguma outra cidade, para poder fazer o que eu bem entendesse sem me preocupar sobre o que poderiam pensar de mim.

Assim, logo no dia seguinte, à tarde, peguei meu carro e fui para a estrada, em busca de algum lugar para realizar mais fantasias. Eu não tinha um destino claro, só pensava em ir para uma cidadezinha do interior, pequena, onde pudesse me divertir bastante.

Eu já tinha me preparado para qualquer tipo de aventura, então tinha colocado uma calcinha bem cavadinha, um sutiã meia taça, uma camisa de seda amarrada na cintura, uma micro-saia rodada preta, saltos altos de acrílico. Sempre adorei acessórios, então coloquei pulseiras, coleira preta, brincos grandes.

Rodei pela estrada por uns 30 minutos, até que vi uma cidadezinha à beira da estrada que parecia promissora. Assim que deu, entrei por uma rua lateral e dirigi mais um pouco, passando por algumas ruas bem estreitas e cheias de mato, ocasionalmente com uma ou outra casa ao longo do caminho.

Depois de dirigir por mais algum tempo, encontrei uma cidadezinha bem simples, daquelas que tem uma igreja no centro, alguns bares, ruas de paralelepípedo. Continuei dirigindo por um tempo para ver algo interessante aparecia.

Mais à frente, descobri uma rua simples, meio vazia, que tinha um mercadinho. Passei com o carro à frente, e o mercadinho parecia meio vazio, havia um senhor ao fundo no balcão lendo um jornal. Achei que seria uma oportunidade boa.

Parei o carro mais à frente, me ajeitei no espelho e desci. Ao longe havia alguns homens numa praça, e pelo que vi, eles me perceberam, porque ficaram olhando (claro, quem não olharia uma mulher vestida quase como uma puta? Não devia ser todo dia que eles viam algo assim). Eu não me importei, e caminhei até o mercadinho e entrei.

Era um desses mercadinhos bem pequenos e simples, um único corredor, com todo tipo de produto. Era meio escuro, e fui caminhando olhando os produtos. O velho ainda não tinha me notado, ainda concentrado no jornal. Só depois de um tempo é que ele baixou o jornal e me viu.

Eu olhei para ele, um senhor com mais de 65 anos com certeza, magro, camisa aberta, quase sem cabelo.

- Boa tarde, moça, fique à vontade. - ele disse, mas seus olhos brilharam nitidamente.

Eu agradeci e continuei olhando, me debruçando nas prateleiras para que ele pudesse ver meus seios por baixo da camisa solta, sem abotoar. Ele tentava disfarçar, mas nitidamente tirava os olhos do jornal e ficava me olhando.

Em determinado momento, virei de costas para ele e me curvei para frente, como se estivesse olhando alguns produtos na parte mais baixa da prateleira. Isso levantou minha sainha já curta, e com certeza ele teve uma boa visão da minha bunda grande, com aquela tanguinha enfiadinha bem no meio das polpinhas.

Eu mantive a posição e olhei para trás, e vi que ele estava olhando fixamente para minha bunda. Ele de repente se deu conta de que eu o olhava, ele se assustou, mas eu dei um sorrisinho, e ele se escondeu atrás do jornal.

Finalmente, caminhei para mais perto dele, para as frutas, e cheguei nas bananas. Fiquei passando a mão pelos cachos, como se escolhesse.

- Por favor, essas bananas estão boas? - eu perguntei para ele.

Ele meio que se assustou, ficou de pé e saiu de trás do balcão. Ele estava com o jornal na frente da cintura, certamente disfarçando a ereção que tinha. Veio para perto de mim.

- Essas estão mais ou menos, aquelas estão melhores. - e apontou para outras bananas que estavam do outro lado.

- Quais? - eu perguntei, me movendo para lá. Aproveitando a situação, eu passei bem perto dele (o local era meio apertado), e ao passar por ele, rocei a minha bunda nele. Eu me aproximei de um outro cacho de bananas, mas antes de pegar qualquer coisa, esbarrei minha mão na plaquinha de preço, que caiu no chão.

- Ai, como sou desastrada - falei.

E me debrucei para pegar, no momento em que ele também fazia um movimento para ir me ajudar. Nessa situação, minha bunda roçou bem na calça dele, e eu senti o pau duro dele. Eu fiquei nessa posição por um tempo, como se tivesse dificuldade em pegar a placa, e ele, todo safado, não se moveu também. Na verdade, ele até deu uma encoxada em mim, e ficamos assim por alguns segundos, eu sentindo claramente o pau dele no meio da minha bunda, ele meio que respirando forte atrás de mim. Ainda dei uma reboladinha e finalmente me levantei.

- Desculpe - falei.

- N-não tem problema, moça - ele gaguejou.

- Essas que são as bananas boas?

- Sim.

- Posso provar?

- C-claro.

Peguei uma banana do cacho (a maior que encontrei), descasquei e me virei para ele. Só que ao invés de comer, comecei a chupar a banana, olhando diretamente nos olhos dele. Eu chupava a banana de maneira a deixa-la bem lambuzada, gemendo enquanto fazia isso.

- mmmm...mmmm... - fechei os olhos e continuei chupando. Quando abri, ele estava segurando uma das mãos no pau dele sobre a calça. - Gostei, moço, acho que vou levar.

Ele voltou para trás do balcão, visivelmente alterado. Pegou um cacho, colocou numa sacola. Eu pensava em seguir adiante com ele, mas dois homens entraram no mercado naquele momento. Eu não podia dizer com certeza, mas parecia que eram aqueles da praça que tinham me visto e tinham vindo checar de perto. Eles fingiam que estavam procurando algo, mas nitidamente estavam me olhando.

O velho tentou se recompor, e me disse o preço. Pedi um papelzinho e caneta para anotar algo. No papel, escrevi: "Quero mais bananas, mas eu gosto das recheadas de leite condensado. Volto quando for de noite para pegar mais, tudo bem? Beijos, Nay".

Dobrei o papel e entreguei junto com o dinheiro. Antes que ele lesse, me virei para sair com minha sacola. No meio do caminho, vi os homens me olhando, e sorri para eles, rebolando mais.

Minha intenção era voltar mais tarde, quando já estivesse escuro e pudesse pegar o velhinho dentro do mercadinho. Eu esperava que ele aceitasse meu convite. Mas tinha um tempo até lá, então eu precisava achar algo para fazer. Eu fui até o carro, olhando ocasionalmente para trás, e vi que os homens que tinham entrado no mercado estavam olhando para mim, já na calçada. Ao virar a esquina, eu parei, olhei para eles e sorri.

Eles olharam um para o outro e vieram em minha direção. Eu entrei no carro e fiquei ali dentro, olhando pelo retrovisor. Não demorou muito e eles apareceram, passaram lentamente ao lado (mas não dava para ver direito por causa do filme) e pararam um pouco mais à frente. O vidro da frente do carro não tinha filme, então eles podiam me ver.

Eles disfarçaram, fingiram que estavam fumando um cigarro. Eram dois homens por volta dos seus 40, 50 anos, gente simples, de chapéu na cabeça, camisa aberta, calças e sandálias de couro.

De dentro do carro, eu olhei para eles e comecei a tocar meus seios. Comecei a acaricia-los por cima da camisa, e depois, enfiei a mão por dentro do sutiã. Eles me viram fazendo aquilo e ficaram olhando. Tirei um seio para fora do sutiã e comecei a brincar com o biquinho duro, enquanto com a outra mão acariciava minha vagina molhada por cima da calcinha.

Umas senhoras passaram e eles disfarçaram. Eu achei engraçado tudo aquilo, mas a verdade é que eu queria dar para o velhinho do mercado, e não queria me sujar antes disso. Queria estar limpinha e cheirosa para ele. Por isso, me recompus, dei partida no carro e saí dali.

Fiquei um bom tempo dando voltas de carro, ocasionalmente parava e descia, me exibia para um ou outro homem que encontrava no meio do caminho, mas ansiosa para que a noite caísse e eu pudesse voltar para o mercadinho.

Quando escureceu e o comércio fechou, eu voltei para o mercadinho. Não era tarde ainda, mas como a cidade era pequena, ela logo ficou vazia e tranquila.

De novo, parei o carro perto do mercadinho, que também estava com a porta de metal fechada. Mas eu podia ver uma luz amarelada saindo por baixo dela, o que indicava que meu velhinho estava lá.

Dessa vez quis ousar, tirei minha camisa e a sainha, e fiquei só de sutiã, tanguinha e saltos altos. Foi assim que desci do carro e fui até o mercadinho. Percebi que havia uma porta normal de vidro do lado, e ela estava semi-aberta.

Entrei por ela, tranquei e avancei pelo estreito corredor mal-iluminado. Mais à frente, havia uma escada que devia conduzir para a casa do velhinho e ao lado dela, a entrada para a vendinha. Parei na entrada da vendinha.

Havia uma única luz amarelada no teto, e o velhinho estava lá, arrumando algumas prateleiras. Eu sorri e caminhei até ele.

Ele ouviu meus saltos e se virou. Não acreditou quando me viu daquele jeito.

- Oi! - eu disse - Eu vim buscar as bananas recheadas...

- Minha filha, vc é um anjo. - ele murmurou.

- Como o senhor se chama?

- Eu sou o Miguel.

- Seu Miguel, eu sou Nayara. Ou simplesmente Nay.

Eu me aproximei dele. Dessa vez fui direto ao ponto, cheguei perto, colei meu corpo nele e dei-lhe um beijo na boca. Ele era desajeitado, talvez não tivesse beijado muito, e tentava mexer a língua na minha boca. Ao mesmo tempo, as mãos dele desceram imediatamente para minha bunda, apertando-a.

- Minha filha, que loucura isso... Vamos para o meu quarto?

- Vamos.

Eu o peguei pela mão e fui em direção à escada. Subi as escadas na frente dele, para que ele pudesse olhar minha bunda rebolando. Parei no meio da escada, e tirei minha calcinha, que joguei para ele. Ele a pegou e deu uma boa cheirada.

- Que cheirosa que vc é...

Eu sorri e me agachei no degrau, de cócoras, ainda de costas para ele. Virei para ele e sorri.

Ele se aproximou, nos degraus de baixo e colocou a mão dele, por trás, na minha vagina molhada e começou a mexer seus dedos. Como eu estava molhada, ele mexia os dedos e fazia aquele barulhinho gostoso e melado, e eu comecei a gemer de prazer.

- Ai, seu Miguel, mexe mais...mexe mais...aí, assim...

Eu me virei para ele.

- Prova meu sabor. - eu disse.

Ele tirou os dedos e levou até a boca, lambendo os dedos.

- Que delícia, Nayzinha...

Velho safado. Levantei e continuamos para o quarto dele. Ele foi na frente, acendeu a luzinha para um quarto apertado, móveis velhos, uma cama com colchão meio encardido.

Ele parou ao lado da cama, e eu me aproximei. Me ajoelhei na frente dele, abri a calça dele. Segurei num pau meio pequeno, mas bem duro.

- Essa era a banana que eu estava procurando...

E comecei a chupa-lo bem gostoso. O velho delirava, quanto tempo devia fazer que não fazia isso? Chupei bastante, lambuzando o pau dele, e ele só murmurava:

- Ai, Nayzinha, Nayzinha, minha menina...

Eu parei de chupar antes que ele gozasse, e me ajoelhei na cama, ficando de 4. Empinei bem minha bunda, encostei a cabeça no colchão que cheirava a mofo. Abri minha bunda com as mãos.

Ele começou a me chupar por trás, me lambuzando toda. Ele estava com a barba por fazer, e aquilo roçava minha vagina, cuzinho e me deixava mais louca. Ele enfiava sua língua dentro do meu cuzinho, como se quisesse me penetrar.

- Ai, seu Miguel...chupa mais, chupa...

Ele chupou bastante. Eu peguei uma camisinha e coloquei no pau dele.

- Agora é hora de colocar essa banana em mim.

Ele ficou de joelhos na cama, eu de 4 na frente dele, e começou a me penetrar.

- Ai, menina...que loucura...

Ele começou a bombar meio desajeitado, ofegando forte, tremendo. Me segurou pela cintura e ficou metendo bem forte.

Depois, eu me virei de costas, abri bem minhas pernas e pedi que ele me comesse assim. Ele se enfiou entre minhas pernas e começou a meter de novo.

- Seu Miguel, assim...come sua Nayzinha, come...

Ele quis me beijar, e enfiou sua língua na minha boca enquanto metia em mim. Ele estava acelerando os movimentos, claramente a ponto de gozar. Mas é claro que eu não podia ficar sem minha banana recheada, então quando percebi que ele estava quase gozando, tirei o pau dele de mim, deitei-o na cama, sem a camisinha, e comecei a chupa-lo bem rápido.

Ele segurou minha cabeça enquanto eu chupava, e em determinado momento, apertou-a com força contra o pau dele. Começou a tremer, e jorrou sua porra na minha boca. Fiquei até surpresa com a quantidade que ele jorrou.

Olhei para ele, sorri, abri a boca para mostra-la cheia do gozo dele, e dessa vez, engoli tudo. Ainda chupei o pau dele para limpa-lo.

- Nayzinha, assim vc mata o velho...

- Adorei, seu Miguel...

Coloquei minha calcinha, me limpei como podia, e saí, deixando-o desfalecido na cama.

Peguei o carro vesti minha roupa e voltei para casa.

Já sabem o que fazer, me escrevam para dizer se gostaram do meu conto ou não. Beijos.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive NayCristina a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/01/2019 09:23:02
Delicia !!
12/05/2017 07:16:04
Parabéns, muito bom como sempre. Desse jeito, deveria vir aventurar em BH! Seja bem vinda.
01/05/2017 08:56:30
Tem fotos Não?
30/04/2017 17:57:46
Que delicia Nay. Adorei seu conto muito excitante. Me escreva
30/04/2017 17:37:32
Que safadinha adorei
30/04/2017 04:40:37
maravilhoso nota 10.novas amizades chama no .
uem
30/04/2017 00:55:48
que delicia quando quiser vem para salvador visitar minha oficina tenho uma banana para voce bem recheada
29/04/2017 23:49:54
Delicia de conto Li todos q postou ate agora Quandl quizer conhecer Guarulhos Posso te mostrar algo interessanteBjnhss deliciosos
29/04/2017 23:44:47
Você,com tuas safadezas, tá me deixando de Pau Duro!!!
29/04/2017 20:44:03
Um bom conto

Online porn video at mobile phone


xvideo garoto coneto a mulher do corno enguato ele filmavedeo estropadoe es tropando molherisxvidiocomendo.a novinha sem tirar o chortePorno gratis xvideos titio meteu cu celado no sobrinho gaymeu gay de onze aninhos adora a minha rola contos eroticosporno português putas gemendo e falando coisas escitantes.x negona budona lascadaver mulhet de sainha rebolando no motelcontos eroticos evangelica mamar pastor amamentando filhaeu gostaria de ver a mulher o cavalo dando chuchadaele desentopiu a bunda delaSodomizando mae e filha contosconto erotico cadelizadazelador comeu minha mulher nA minha frentefotos da neguinha voluptuosa peladaBaixar Videos Porno Mulheres Bem Gostosas da Bunda Grande Querondo rola e Loca de Tesao Baixarcontos eroticos sindico com um pau de 27cm fode moradora menor menorvidio de puta lavano abuceta e tirano bora pra fora eu quero o homem e a mulher fazendo sexo e daí o homem coloca guspe e daí daí vídeocontos mulher casada da igreja deixou dois arrombar seu cuporn mama tao aumentar leiteporbodoido varias enfermeirasperdendo a virgindade com o meu namorado e elearromba minha bucetaContos eróticos teens pai vendo q a rola do filho estava bem grandinha conto gaycontos eiroticos leilapornxvmeninasnovinhascontos eiroticos leilapornx videos mulher lammbendo o cusinho do homemxvideos Botando rola Pra Fora E sarrando bem gtzmulhepega outrana ponbahomem arretando novinha no bejoxxx minina cumedo mininoporno casada nao agreto oprimo domaridoconto erótico minha sogra me deu na quarentenacontos de sexo depilada na praiaporno inventei um assalto para o comer minha mulhernovinha panhando o cachorrinho pra lammber sua bucetinhaimagens de amiga gostosa so de sutian e causinha no quarto nxnndocenandaencoxada conto eroticomarido fazendo covardia com a buceta da esposacontos erotico chantagiei e depilei minha sograconto erotico sexo com vizinho velhos coroa grisalhocontoeroticofunkpinto nao entra na cetinh apertadinhcontos eróticos meninas de 25 anos transando com sua calcinha preta com lacinho vermelhoxisvedeo estruado cono xvideo sexo na praia de nudismo abricoaconto sofrer macho leitecontos tranzei com a mulher do meu cunhadodopei sobrinho contoswww.meninosgay.dandocucunhadinha desistido no quarto da b******** XVídeosxxvideo amsiadamaridu brexa espoza fudenu com vizihoadolecens safadas trazandoencoxoando a cega contos eroticossua tia nao aguenta esse pirocao contosconto erotico uber passando a mao na.minha bucetinhapornor doido homem batendo poletaContos pornos-fodi a mendigataradao fode esposa na frente da amiga que quer tanbem.comvídeos sexo gays estrupo vampiro principes dandocurada pelo cunhado e o amigo contos eróticosa saga de uma esposa que obedece marido ele pediu para eu dar e eu dei para um pausudo na frente delecontos encoxadasquadrinho etotico segudaoesposa comenta da grossura da picacu de mulatas novinhas piscando xvdelvideos porno homem brexa vizinha fudendo e depois fode ela pornodoidomulher branca nua com marquinha e boboletinha na bundacontos eroticos gaycom negao no cinemaeu com 19 anos de idade eu era virgem da minha buceta e virgem do meu cu eu moro sozinha com meu pai viuvo meu pai ele achava que eu não era mais virgem da minha buceta a noite eu tava no sofa com meu pai ele conversando comigo ele disse pra mim filha você tomar anticopcional pra você não engravidar eu disse pra ele pai eu sou virgem da minha buceta meu pai disse pra mim filha você com 19 anos de idade você e virgem da sua buceta eu disse pra ele eu sou virgem da minha buceta pai ele disse pra mim filha eu tou feliz com você porque você é virgem da sua buceta ainda eu disse pra ele pai eu quero perder minha virgindade da minha buceta com você meu pai ele me deu um beijo na minha boca ele me levou pro seu quarto eu dei um abraço nele eu dei um beijo na boca dele eu tirei minha roupa eu deitei na sua cama ele chupou meu peito ele disse pra mim filha sua buceta virgem raspadinha e linda ele começou a chupar minha buceta virgem eu gozei na boca dele eu chupei seu pau ele foi metendo seu pau na minha buceta virgem que sangro ele começou a fuder minha buceta eu gozei conto eróticocontos erotico,meu genro me enrrabou dormindowww.casadoscontos branquela arrombadapegadinhas porbodoidoorgia na casa de swing mulheres enfiando a b***** nas ruas por trás das paredescatucada vai sair com a buceta inchadafilha pela primira vez dar meter pau durominhavisinha jemendocontos eroticos Julius e Dinho uma mulher para 2 Parte 4 a descobertaxxxxxxxvideos com professoras de educacao fisica