A Vida & Morte De Renato - Capítulo 21

Um conto erótico de Matheus N
Categoria: Homossexual
Data: 01/04/2016 17:00:38
Nota 9.83

Boa Tarde...

Como sempre, estou passando para postar mais uma parte dessa história, que mesmo tendo sido feita em menos de um mês, foi criada com carinho e atenção, e mesmo contendo alguns erros, faz parte de tudo o que se passa pela minha mente.

Agradeço muito a vocês por ainda estarem acompanhando, e prometo que os próximos capítulos serão cheios de surpresas e diálogos que remetem aos meus pensamentos sobre muita coisa, porque mesmo querendo evitar, sempre acabo colocando um pouco de mim em meus personagens, mas em fim.

Um beijão para todos vocês. Fiquem bem.

-- AllexSillva: Hahahaha. Faz parte né. Não tem como manter tudo nos conformes e deixar tudo na mesma. Um beijão pra você, e obrigado pelo comentário.

-- FlaAngel: Obrigado. Rsrsrs. Tenha um ótimo fim de semana. Um abração.

-- Rose Vital: Sim, ele menciona isso mesmo. Sobre as suas dúvidas, elas ainda vão demorar para serem respondidas, mas garanto que irá gostar. Rsrsrs. Sobre o vislumbre, ele é verdadeiro, mas até o momento, ele não quer dizer nada. Rsrsrs. No mais, um beijão.

-- RAQU£L*-*: Hahahahaha. Ele não vai mais aparecer por agora, mas... Hahahaha. O novo Renato está incrível, e só tente a merolhar. Um beijão pra você, e obrigado.

-- Oliveira Dan: Percebe-se. Devassa. Hahahahahaha. Amo gordinhos, então... Hahahahahaha. Acho CEQUICI. Hahahahahahaha. E sobre o anti vírus, eu achei mais uns aqui e vou tentar dar um jeito. E eu vi a sua solicitação. Cadê as pictures? Trabalho com pictures e exijo pelo menos uma. Hahahahaha. E a senhora é desatualizada mesmo né rapariga? Pode enviar de tudo pelo facebook, até sexytape se a senhora tiver. Hahahahahaha. Trabalhar comigo? Eu sou de luxo, não trabalho na rua. Hahahahahahaha. Meu boy não foi na viajem por motivos de trabalho, então... A versão do meu browser? Não sou eu que não sabia que o facebook enviava documentos, então... Hahahahahaha. Então escute. É melhor que o primeiro. Hahahahaha. Beijão pra senhora.

-- Monster: Tem muito mais pela frente ainda. Rsrsrs. Sobre o Yan, ainda vai ter que ler para descobrir, então... Um abração pra você também. Beijão.

Tenham uma ótima leitura. Beijão.

____________________________________________________

Em meio ao seu sono, Renato começa a se revirar na cama, de um lado para outro, com seu corpo todo molhado de suor.

Em seus sonhos, o jovem conseguia ver um homem de cabelos castanhos e olhos verdes lhe encarando de perto, e de tão perto, isso só o possibilitava de ver seus olhos, parte de seus cabelos e aquele sorriso incrível. Ele falava alguma coisa para o jovem Maitre, que não conseguia decifrar o que é, e após tentar muito, viu que as palavras que saiam da boca do homem a sua frente totalizavam sete letras, formando a sentença ‘Eu te amo’, e logo após ouvir isso em sua mente, Renato abre os olhos, quatro segundos antes de seu celular despertar. Ele então pega o aparelho, desativa o alarme e tira as cobertas de cima de sua cama.

Antes de ir para o banheiro tomar seu banho, Renato decide descer as escadas e ir até a cozinha preparar algo para comer. Ao sair de seu quarto, ele passa a ouvir um barulho estranho, vindo do andar de baixo, e quanto mais se aproximava da escada, mais o barulho se tornava nítido. Ele vinha da televisão, e não era um simples soar de alguma programação aleatória qualquer, e sim de um filme erótico.

Quando o jovem desce todos os degraus se depara com uma cena um tanto quanto surreal e nojenta, seu pai se masturbando. Como o sofá ficava frente a escada, foi impossível não ver aquilo, aquela situação. Renato conseguia ver claramente seu pai se tocando, sem roupa alguma, em cima do sofá, e a sua volta, garrafas de cerveja vazias.

Diante do choque que sofreu, o rapaz não conseguiu se mover. Estava tão fora de si com o que estava acontecendo que não conseguiu desviar os olhos devido ao total espanto. O homem a sua frente nem ao menos fez questão de parar, de se sentir constrangido ou de o xingar, ele apenas continuou, olhando para o filho, que usava shorts curtos de pijama e se encontrava sem camisa, e ao perceber que estava sendo olhado daquela forma, Renato se abraça, como se tentasse se esconder, e infelizmente não conseguiu sair antes de seu pai ter seu pequeno orgasmo, sujando todo o seu peito.

Já na cozinha, o jovem se apressava para preparar tudo a tempo de seu pai aparecer na cozinha, mas durante o preparo do café, como se não tivesse acontecido nada, ele apareceu, ainda sem roupa alguma.

― Você deveria ter pelo menos um pouco de respeito. ― Renato diz, sem olhar para o homem.

― Se incomodou com o que viu? ― Seu pai para ao seu lado, debochando.

― Sim. ― Renato diz.

― Pelo que percebi, você gostou... ― Seu sorriso era estranho. ― Ficou até o final.

― Fiquei até o final porque estava chocado com o que estava vendo! ― Renato grita.

― Eu sei que você quer de novo... ― Ele tenta tocar Renato, que se afasta. O homem estava claramente muito alterado pelo álcool.

― Pedófilo! ― Renato grita ao se afastar. ― É isso que você é, um pedófilo estuprador! Violentou o próprio filho e agora está se insinuando para ele! ― Ele grita, com lágrimas nos olhos. ― Você é um monstro nojento!

― Eu sei que você quer colocar a boca no pai, pode vir, eu deixo... ― Ele se aproxima, cambaleando e tropeçando nas próprias pernas. ― Vem mamar um pouco...

― Não se aproxime de mim!

― Eu sei que você quer Renatinho, vem no papai... ― Seu sorriso escroto ainda continuava.

― Sai! ― Renato pega o batedor de carne no balcão e ameaça seu pai, mas é em vão.

Com o objeto de madeira em mãos, Renato tem seu braço segurado e é imobilizado, sendo pressionado contra o balcão de granito escuro. Ele conseguia sentir o membro duro daquele homem o pressionando, e tentava juntar forças, em meio ao choro, para se livrar dele, e num súbito momento de desespero, ele bate a parte de trás de sua cabeça no nariz de Rodolfo, que cambaleia para trás e empurra Renato com tudo contra o balcão, abrindo um corte enorme na cabeça do rapaz, que mesmo sentindo muita dor, se levanta em segundos se colocando de frente para o homem nu a sua frente.

― Você não pode me machucar mais... ― Tonto, Renato diz para o homem a sua frente a medida que o corte em sua cabeça se fechava, lentamente. ― Você não pode fazer mais nada para me machucar! ― Chorando, Renato grita.

― O que... ― Entre o nariz minando sangue, o álcool no organismo e a visão que estava tendo da testa do filho, o homem ficou atordoado, sem entender nada.

― Eu não sou forte como você, mas eu não posso sofrer mais nada! ― Ele grita, empurrando o peito do pai, que vai ao chão com tudo. ― Fica no chão seu porco imundo! Seu pedófilo! Estuprador de crianças! Eu tenho nojo de você, nojo! Você ainda vai pagar por tudo que fez, e não vai ser com a morte, e sim na cadeia, quando for estuprado por todo mundo e virar a mulherzinha deles! Que ódio! ― Renato grita, extremamente alterado e então sobe as escadas, correndo.

Debaixo do chuveiro, ele esfregava sua pele com a bucha vegetal e sabonete, desejando com todas as forças que o cheiro horrível daquele homem saísse de sua pele. Era visível que ele estava se machucando. Sua pele estava vermelha devido ao atrito, e ele queria se machucar, mas não conseguia, pois sua derme voltava ao normal em milésimos de segundos, e isso o deixou ainda mais desesperado.

― Que merda! ― Ele joga o sabonete e a bucha com tudo no espelho do banheiro, o quebrando em dezenas de pedaços. ― Eu te odeio Caled! Eu te odeio por ter feito isso comigo!

Renato começa a chorar e não consegue parar mais. Seu corpo estava no chão sujo do banheiro, encolhido, tentando raciocinar, encontrar uma solução para tudo aquilo, mas sua mente era incapaz de trabalhar para fazer aquilo acontecer.

Após passar vinte minutos naquele chão imundo, Renato havia se levantado e trocado de roupa. Ainda teria que ir para o serviço, mesmo não estando com cabeça para tal coisa.

Já no ponto de ônibus, era como se ele estivesse desligado, se ausentado do mundo. A vida toda ele procurou respostas para o que acontecia, e nunca as teve, e nesse momento, ele procurava respostas para o que acontecia naquele instante, naquela etapa da sua vida, e ainda não havia encontrado.

Quando parou em frente a porta do restaurante, com a chave em mãos, ele não sabia se estava preparado para um dia de trabalho, mas temendo desapontar Pedro e Clara, ele colocou um falso sorriso no rosto e entrou, dando de cara com alguns dos cozinheiros e garçons, conversando e rindo de alguma coisa.

― Bom dia flor do dia ensolarado... ― Vitor, o garçom gay diz, sorrindo.

― Bom dia... ― Renato força um sorriso, tentando o deixar mais real possível.

― Dormiu bem querido? ― Vanessa, uma das cozinheiras, pergunta.

― Dormi sim Vanessa, e você? ― Renato pergunta.

― Dormi bem também. Pronto pra mais um dia?

― Claro! ― Renato sorri.

No momento em que o restaurante abriu as portas, Renato se pôs a trabalhar como nunca antes fizera. Recebeu todos os clientes com um sorriso no rosto, os encaminhou até suas mesas. Resolveu alguns problemas de horários entre dois funcionários que queriam trocar. Serviu mesas devido ao constante movimento do estabelecimento. Conversou com alguns clientes, os acompanhando porta fora e lhes desejando um ótimo dia. Limpou mesas que se sujaram de comida e/ou suco e água.

Foi um dia tão movimentado que Renato se assustou quando olhou para o relógio na parede e viu que já eram seis da tarde. Ele nem sequer havia parado para almoçar, havia se esquecido por completo. O jovem estava ausente para tudo naquele momento, exceto o trabalho, que ocupava toda a sua mente e tempo.

― Renato... ― Pedro chama ao ver que o jovem está pra lá e pra cá como um doido. ― Renato. ― Ele chama quando Renato passa ao seu lado, sem ao menos ver, com um prato de comida em mãos. ― Renato. ― Ele para na frente do jovem, que tromba em seu peito forte.

― Pedro? Oi, desculpa... ― Renato se ajeita e encara o chefe.

― Está tudo bem? ― Ele pergunta, preocupado.

― Está sim, não se preocupe.

― Problemas em casa? ― Ele pergunta, e Renato demora a responder.

― Sim, mas não se preocupe com isso, você sabe que eu consigo trabalhar, sempre foi assim. ― Renato só queria naquele momento continuar com a correria.

― Sim, eu sei que consegue, mas não quer dizer que deve trabalhar.

― Eu sei, mas eu prefiro ocupar minha cabeça com o trabalho.

― Por mais que você esteja fazendo um excelente trabalho, é bom descansar um pouco. Vai tomar uma água, almoçar...

― Não, não precisa, sério mesmo. ― Renato sorri.

― Renato, você larga serviço as oito hoje, para não fazer tanta diferença em seu horário. ― Ele olha para o relógio em seu pulso, que já marcava sete e meia.

― Não Pedro, eu dou conta.

― Eu sei que sim Renato, mas você vai largar as oito e não vai reclamar. Eu fecho o restaurante.

― Pedro... ― Renato tenta argumentar.

― Pare de reclamar. ― Pedro deixa o jovem falando sozinho e sai.

Voltando o trabalho, Renato continuava correndo de um lado por outro, suspirando enquanto fazia tudo o que conseguia em curto espaço de tempo, e foi quando Pedro estreitou os olhos para ele que Renato soube que era a hora de parar.

― Vai embora. Não quero mais ver sua cara aqui hoje, é serio. Você precisa descansar um pouco. ― Pedro se aproxima, com os braços cruzados.

― Aonde ele vai? ― Pergunta Yan ao se aproximar, e aqueles olhos verdes ainda deixavam Renato extremamente confuso.

― Pra casa. Renato só volta amanhã. ― Pedro diz, sem olhar para o irmão.

― Você pode aproveitar e ir a igreja comigo. O culto começa em meia hora. ― Yan fala, fazendo com que o irmão o olhe com cara de interrogação.

― Culto Yan? ― Pedro pergunta.

― Eu estou indo aos cultos agora. O pastor disse que é importe para a minha recuperação.

― Se você está dizendo... ― Pedro diz. ― Fora. ― Ele sorri para Renato, apontando o dedo para fora.

― Até amanhã. ― Renato sorri.

― Até. ― Pedro também sorri.

― Me espera, vou pegar meu celular e as chaves do meu carro. ― Yan sai.

― Sendo sincero com você, eu prefiro meu irmão como ele era antes, não esse acéfalo ambulante que só fica falando de igreja. Deus que me perdoe, mas isso é doença... ― Pedro diz e depois vai conversar com um dos clientes que havia o chamado, deixando Renato sozinho.

― Pronto? ― Yan pergunta, sorrindo.

― Não sei se eu devo ir Yan. ― Renato fala.

― Você vai gostar, eu tenho certeza. ― Yan sorri, e Renato não via verdades naqueles sorrisos, e sim algo falso, algo que forçava Yan ser daquela forma.

― Tudo bem.

O único motivo pelo qual Renato aceitou aquela proposta é por saber que Rodolfo estava de folga, desse modo, quando ele chegasse em casa, cedo, iria se deparar com o homem, e não queria ter que enfrentar tudo naquele momento. Ele precisava ficar fora de casa, e não tendo alternativa, acabou por aceitar o convite, mesmo tento quase certeza que não gostaria, resolveu ir, para pelo menos ter algo para firmar seu pensamento sobre a igreja evangélica, algo que até agora ele não tinha.


Este conto recebeu 0 estrelas
Estamos testando um novo formato de votação. O ranqueamento será feito não mais pela média, mas apenas pela soma das notas oferecidas. As notas também serão apenas de uma, duas ou três estrelas. Isso deve evitar que haja quedas repentinas do ranking por conta de ataques por alguém que queira manipular os resultados. Se tiverem dúvidas, .

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
03/04/2016 19:54:22
uiui maravilhoso como sempre renato reagindo gostando disso...
02/04/2016 23:19:51
Queria*
02/04/2016 23:19:05
Oi gatão, desculpa não ter comentado nos textos anteriores,deixei p depois é acabei esquecendo😅. Quero muito que vc errasse na hora de postar e sem quer postasse uns 10 capítulos de uma vez,eu iria amar!!!!! Adoro ler e quando a história eh boa só consigo parar quando acabo. Posta outro esse final de semanana vai! Bjo
02/04/2016 12:11:40
A cada capítulo esse pai do Renato se torna pior, nossa, me responde uma coisa: Irá acontecer algo com o antigo colega de trabalho do outro restaurante a qual envenenou o Renato ? Abracos man...
01/04/2016 22:20:22
Maravilhoso como sempre. O que será que aconteceu com o Yan?
01/04/2016 20:44:22
Ama gordinhos? Sei... Até ver as gorduras nojentas balançando hahahahaha. Espero que consiga tirar o vírus, porque não gosto nada nada de esperar um final de semana pra ler tuas respostas. Quanto as "pictures": não tem e nem terá. A câmera não capta minha beleza e nem gosto de tirar foto... Se a NSA me vir, vão haquear meus dispositivos em busca de nudes hahahahahahahahahahaha. Não sou desatualizado, só não preciso saber do que acontece no fb. Bitch, please, não tenho tempo pra rede do Mark. A do passarinho é bem melhor (pelo menos permite nudes) hahahahahaha. Luxo? Ahãn. Tô sabendo das tuas histórias, não vem fazer a fina/ rica porque eu te conheço de outros carnavais, você pode até enganar os outros, agora eu não... hahahahahahaha. "por motivo de trabalho" seu ou dele? Fiquei confuso agora... Hahahahahaha. Bem, considerando que o primeiro já não era lá essas coisas... *desviei a tempo do salto que você jogou em mim* hahahahaha. Sobre o capítulo de hoje: me preparando para o próximo porque lá vem textão, lágrimas e choro... (esses dois últimos o Renato faz e não precisa de muita coisa não) hahahahaha.
01/04/2016 19:19:06
Top como sempre.bjus querido um excelente final de semana pra vc tambem
01/04/2016 19:06:10
Por favor aumente mais os capítulos estão muito curtos. A história está fantástica vc é incrível ate o próximo. PS: não sei se já falei isso mas se for possível poste tbm nos fins de semana. Bjinhos 😚👏👏
01/04/2016 18:48:06
ansiosa pra que segunda chegue logo*-*
01/04/2016 17:53:49
Muito bom
01/04/2016 17:31:45
Eu li em menos de 5 minutos, meu tempo recorde hahahha, agora só me resta espera segunda :c
01/04/2016 17:28:15
Chessuis, este Rodolfo a cada dia que passa está cada vez mais nojento, ele que não tome tento pq o dele está guardado. Para o Pedro dizer que preferiria seu irmão de antigamente é pq a coisa está feia, e se ele estiver bitolado no que o pastor diz e ainda ser intransigente este culto fará mais mal do que bem ao Renato, que se decidiu não abaixar mais a cabeça pra ninguém, penso que Renato terá que dar uma recalibrada cognitiva no Yan, já que pelo visto sofreu uma lavagem cerebral. Theus, me segurando para não questionar muito e querendo antecipar as coisas,rsrsrs. Até o próximo, bjs e abraços ansiosos
01/04/2016 17:22:32
Ótimo
01/04/2016 17:22:14
Ótimo

Online porn video at mobile phone


padrasto fazendo xvideo com inteada as 6h da manha a Mae no quarto dormindoxvidoe.cm baianas crentis traindo o maridochegando calcinha dezeijos proibidopornoAliviando os funcionarios contos eróticosele rebentou me toda por dentro pornocontos eroticos humilhada arrebentada abaldezejo ver corpo nua de uma mulher que nuca teve sexo coto de maes encinado filho apor camizinhaporno criamca. di. 7 do abuceta pormo piqitocontos prima novinha dando cuzinho de surpresaxvdeos brasilero irmãokxcontos.blogspot.com.br fotosPapai de pau duro roupão xvideosconto erótico O Despertar de uma casadapegandoafilha quesair com o carroxvidio do mundobicha mocinho loirinho lindo masturbandopono cario,caconto eroticomulher transando na subida do Ilha Porchat São Vicentepornodoido pai dando liçao na filha por pegar seu cartoa de creditoconto erotico gay com vizinho velho coroa grisalhocumendo a sogra da bunda grade de 35 anosas novinhas malhando de chotinho coladonovinha gritano gostozo paicasada fodechamando o nome do comedor porno portuguêsgostosas apimentadinha de tesaoFace de Luciano com a b***** arreganhada com consoloconto erotico com marido velho coroa grisalhoconto erotico de incesto estorei as praga do cuzinho da minha maeconto viadinho descaradoconto erótico de familiaporno passo lubrificante e meteu no cu da no vinha sem ela deixaincesto tia e sobrinho ela tenta resisti mad acaba sedendo a buxetinha porno videoseu e minha irmã e minha mãe moramos sozinhos eu tenho 22 anos de idade minha irmã linda e gostosa ela tem 18 anos de idade eu tirei a virgindade da buceta e a virgindade do cu dela eu tava a noite fundendo minha irmã no meu quarto minha mãe ela entrou dentro do quarto ela me viu eu fundendo minha irmã minha mãe ela tirou sua roupa minha mãe disse pra mim pra eu fuder elas duas juntas conto eróticoarregasado a buceta com muita velocidadePetreky pornvideo de mulhe no banheiro tomando baio pegado pombanegra do.corpo violao e uma bunda gigante de fio dental socada na buceta gostosaxvideo dp descabasandovideo pornodoido casal transa dentro de uma poça de lamavirei puta do meu irmãoxviďeos tussa gostossa faxeno analcontoseroticosmae usadas a forcaadorocuzinho cabacoconto erotico minha mulher de short no onibus gozaram nas coxa dela@nubianinfa.comporno++o++encanadorcontos gay belmiromãe vê filho pelado dotado fica louca e fode com ele pornô iradolazarento do irmao fez sexo com a irma enquanto ela estava deitadagerusa chupando minha picamulher pelada colocando frutas no cel cu e dando pra sua filia cheirarcontos eroticos meninas de vinte tres anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinhos vermelhohttp://esposas perdendo a virgindade com seus maridos: contos eróticoscoloquei duas bolinhas de golfe na bucetaMulher andando de fildental arredor do homem ai depois o homem aranca no dente e gosa na buceta delaxvideoa aventuras anal gay sexo anal ate goza dentro no pelo anal gayMe manda o vídeo pornô Adão de armas sedosa só gosta de dar a homem bem dotadoelas so gosta de da o cu de bruçose pra pau grandeXvideo as panteira a minha vizinha tá zangada marido e com a sua bobaestuprando lesbica japa e torturando com pedaço de pau no cu apertadocontos com fotos a safadinha da minha entiada queria rola metir nela sem docontos gay luiz virando mulherzinha na cadeiaalggus videos ponou com as jovemzinhastufos familia favela #8contos chefe comedorporno negao69vídeo pornô homem t***** possuído chupa b***** da mulher e filhos dele até virar uma chupetamarrido fode amulher mais oltrowww.xvideomamei/patrastoCarnavalnazoofiliaescreve palavra enrabardoxvidio.com brasileras lambuzadas de leite condesadoXNXX.COM TRAVESTI DO PAU DE ANACOMDA GOZANO RAPIDINHO IGUAL CAVALOconsiquiu engoli uma pica enormecontos eiroticos leilapornporno fabiana e pisudosconto gay cansei de mamar pedi arregoContos eróticos filho amamentaçãoContos eroticos dando banho na garotinhaCONTOS SEXO NO COLOSodomizando mãe e filha contosfudendo uma putaconto eroticocontos eróticos revista privatepeu novinha colocou na sua buceta na portunha em pe e gozoumarido esposa hormonios femininos dedos no cu conto eroticoxvideos paacas.com.pexvideo nigro xxxvvncontos eiroticos leilapornadoro usar plug anal enquanto durmo contos mundobichanovinho na praiacasal bi levando pau mega grosso de 30 cm e tapa na carapediu outro cacetexvideocontos eroticos encoxando a rabuda de leggin contos eroticos gay me apaxonei pelo traficante 7etiadas novilhas tasano com padrasto velho ponodoidogostoza dando cu de 4 flagrei brechando e nao gosteipastor roludo conto sexoconto erotico funk peladapriminha brincano de boneca e levo pintocontos de fio terra e strapon