Meu genro, meu pecado - Parte 9

Um conto erótico de Marta Ribeiro
Categoria: Heterossexual
Data: 07/05/2012 20:45:28
Nota 9.56

Prosseguindo com a minha série de relatos, sinto que preciso avançar um pouco na narrativa dos fatos. Acho que estou sendo prolixa e demasiadamente apegada a eventos antigos que acabam por ser repetitivos, já que retratam sempre o mesmo evento, em contextos diferentes: Eu e meu genro transando.

Por outro lado, não posso negar que há um desejo singular em contar tudo o que passamos, seja pela penitencia, seja pela vontade propriamente dita de compartilhar isso tudo.

Tenho percebido alguns comentários de pessoas que pedem para que eu mantenha contato através de Facebook, MSN, etc. Infelizmente, não posso fazê-lo. Como já disse em outras ocasiões, sou uma mãe de família, hoje uma avó. Tenho compromissos, sobretudo familiares.

Até hoje, e já se passaram cerca de 5 anos do início do meu envolvimento com o meu genro, fui mulher de apenas duas pessoas. Não tenho vontade de trair meu marido com ninguém e minha libido não é alimentada facilmente.

Vou avançar para idos de 2009, quando já havia colocado a prótese de silicone. Meus seios estavam lindos. Ficaram mais durinhos e empinados e, evidentemente, mais rechonchudos. O trabalho do cirurgião foi espetacular. Tanto André como o meu marido Paulo aprovaram e curtiram os novos seios turbinados.

Passei a fazer exercícios em casa e me cuidar mais. Não vou exagerar. Estava com 52 anos. Não era criança ou adolescente. Não virei uma mulher fruta. Fiquei, é verdade, uma coroa mais conservada.

O aumento dos seios e a malhação deram ainda mais gás na relação com o meu genro, se é que era possível.

Numa noite, decidimos fazer um fondue. Nós quatro. Usava um vestido verde, bem soltinho. Dada a minha idade e a presença de meu filho e marido, era uma roupa adequada e comportada.

Eu estava preparando tudo na cozinha e André chegou perguntando se queria ajuda. Ele se aproximou por trás e me abraçou, empurrando seu corpo contra o meu.

-André, que isso. Eles estão na sala.

Sua cabeça colou no meu pescoço, entre o ombro e o rosto e suas mãos entraram pelas alças do vestido, alcançando meus seios. Ele os apertou simultaneamente. Suas mãos firmes massageavam deliciosamente minhas aureolas e os novos e turbinados seios. Apertava a base e subia, passando o meu bico entre os seus dedos. Eu repetia, em vão:

-Ai, André...Não faz isso...Pode chegar alguém...

Escutamos passos e nos soltamos rapidamente. Meu coração pulsava forte. Era meu marido, perguntando:

-Então, esse fondue sai ou não, rapaz!

-É a Marta, que não quer deixar que eu faça as coisas! Ela que está demorando.

Pensei: Safado! Eu deveria ter dito: -Paulo, estamos demorando porque o seu genro estava apertando os seios da sua mulher. Brincadeira, lógico.

Ele voltou para sala e André se reaproximou de mim. Parecia ler a minha mente:

-Se ele soubesse porque estamos demorando.

Dessa vez, sua mão levantou o meu vestido, proporcionando a outra mão o acesso ao interior da minha calcinha. Ele tocou minha vagina e roubou um pouco da lubrificação que havia se formado.

-Sua safada...Já está molhada, né...Deixa eu te foder, deixa.

-André, vai pra sala agora! Chega!

Com ele na sala, rapidamente organizei tudo. Fomos jantar.

O vinho derrubou meu marido rapidamente, que foi deitar. Ele era bem fraco e eu sabia que teria uma noite de muito sono.

Minha filha disse que não aguentava mais e que também iria deitar. Chamou André, que disse:

-Júlia, vai dormir que eu ficarei para ajudar a limpar tudo, depois de terminar aqui.

Enquanto se beijavam, meus olhos fitavam o de André. Meu sexo começou a se lubrificar novamente.

Ela foi ao banheiro e trancou a porta. André, que se sentava à minha frente, esticou sua perna e a colocou entre as minhas pernas. Com o dedão do pé, afastou minha calcinha, roçando os dedos em minha vagina. Ficou friccionando até obter uma cara de satisfação minha.

Afastei seu pé e coloquei as duas mãos por dentro do vestido e retirei a calcinha, colocando-a em cima da mesa.

-Era isso que você queria tirar? Pega. É sua. Agora vem aqui e senta no meu lugar.

Levantamos juntos e ele parou na minha frente. Eu abaixei sua bermuda, liberando seu pênis ereto. Dei espaço e deixei ele sentar.

Ato contínuo, levantei o vestido e sentei em seu colo, encaixando seu pênis na minha vagina.

-Ai, André...Que gostoso...Minha bucetinha não via a hora, filho...

Virei o rosto para trás e nos atracamos em um delicioso beijo.

Suas mãos me apertavam a cintura e garantia um movimento para frente e para trás, proporcionando a entrada e saída de seu pênis do meu canal vaginal.

Me soltou e passou a se dedicar aos seios. Perdi um pouco a razão e segurei a barra do vestido e o levantei completamente, ficando nua, no colo do meu genro.

-Sua louca...Você está uma delícia, sabia? Você ficou ainda mais gostosa.

-Tira tudo, também, seu puto. Quero você pelado...Vai! Tira tudo, André.

-Até isso aqui? (Deu uma estocada violentíssima)

-AI! Calma...Isso, não...Isso vai ficar guardadinho aí dentro...Fica nu, fica, meu filho.

O meu jeito carinho de tratá-lo era suficiente para conseguir qualquer coisa. Ele retirou sua camisa e soltou a bermuda que ficava presa aos seus pés.

Estávamos completamente pelados na sala de casa. É bem verdade que não fazíamos barulho, exceto o som do pênis arrastando na minha vagina molhadíssima, que eventualmente fazia um “ploc”.

André não sabia se apertava meus seios, segurava minha cintura ou mesmo friccionava meu clitóris. De repente, sua respiração ficou mais ofegante:

-Rebola, Marta...Rebola

-Vai, André...Goza...Me beija, filho...

Virei meu rosto e voltamos a nos beijar. Ele apertou meus seios e nossos corpos suados se tornaram praticamente um só. Comecei a tremer e exatamente ao mesmo tempo que observava um suave, mas gostoso, orgasmo, senti o jato quente de seu esperam inundando minha vagina.

Continuamos o beijo e eu fui diminuindo a velocidade do rebolado, até paramos completamente os movimentos. Sem parar de abraça-lo, estiquei o braço até a mesa e peguei a calcinha. Levantei um pouquinho meu corpo e vesti a calcinha.

Ainda semi-nua, abaixei e fiquei de joelhos diante dele e coloquei minha boca em seu pênis, para que pudesse limpar tudo.Suguei um pouco de esperma residual e o beijei.

Ainda escutei: - Vai dormir assim, é?

-Não, né. Olha como estou suada! Vou apenas passar no quarto e dar um beijo de boa-noite no seu sogro...

Nos vestimos e ao sair da sala, escutei o destrancar da porta do banheiro.

-Mãe vocês já terminaram de lavar?

-Não filha, sabe que seu noivo sempre faz a maior sujeita. Vai dormir que você já está morrendo de sono.

É...Que sujeira que André fez...


Este conto recebeu 0 estrelas
Estamos testando um novo formato de votação. O ranqueamento será feito não mais pela média, mas apenas pela soma das notas oferecidas. As notas também serão apenas de uma, duas ou três estrelas. Isso deve evitar que haja quedas repentinas do ranking por conta de ataques por alguém que queira manipular os resultados. Se tiverem dúvidas, .

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
31/05/2012 19:24:39
Ola Marta, adoro seus contos leio todos e desejava que minha linda sogra fosse como vc com seu genro seu conto é meu sonho com minha sogra beijos em vc
08/05/2012 22:34:49
Oi Marta, Leio seus contos e fico bastante ecitado, pois me veko nos seus contos. Tenho 29 anos, sou casado e tenho uma sogra de 52 anos, muito gostosa e fogosa, porém falta-nos coragem para tomarmos uma iniciativa!Gostaria de pedir uma orientação a voce, para me ajudar a trepar com minha sogra!Eu uso esse msn sigiloso para me preservar - bater um papo contigo.Abraços e Parabéns!
08/05/2012 11:08:17
Parabens, http://drmenage.blogspot.com.br/
08/05/2012 08:14:36
Que delicia de conto... como queria uma sogra assim... bem safada...
07/05/2012 23:26:02
Nossa, que tesão! Dez! Fiquei o tempo todo de pau duro ao ler... você é ótima!Leia os meus também, lá tem meu MSN, me adiciona, vou adorar te conhecer...
07/05/2012 22:21:54
Adoro seus relatos, ja li todos e são super excitantes mas quando vc chama ele de "filho" eu perco um pouco do tesão.. Mesmo assim é ótimo.. nota 10

Listas em que este conto está presente

Sogra e Genro
Todos os contos de sogra e genro.

Online porn video at mobile phone


Eu Queria arranjar uma queria que passasse um filme para mim né e mulher pelada para mim entendeuincesto encaixada no colo do pai perto da mamãexvideo pinto cabecudo invazor de cu de madameschantagiei a colega de trabalho e comi ela casa dos contosPirocudo irracional de prazera gostosa do rabao de shortinho enterrado deu mole pro novinho e ele nao perduolconto erotico rasga minha buceta esfola meu cuzinhoxisvideo gravida fode negau pau sudotaubateana xvideos2 comedor do pintao sacaneia casada do rabaoMeu co ralf me comeu contocontos/arrebentei meu cabacocontos de cú de sobrinhacontos eróticos paifinge dormundo fudendo filho e filha. virgemos flagas de chupançs de panovinha perdendo o c***** com pai anotado x.comenteada morena da bunda empinada dando ocupadoRelatos de zoofilia cao estrupaContos erotico incesto video gratis de sec tio tira cacinho da sobrinha novinhavideo porno foi cobra o alugel ea cabou comendo a emquelina no xsvideoContos eroticogay nestor o filho da empregadacavalona da buceta desmarcada no pornodoidoconto erótico tirei a virgindade da minha filha ela dormindocontos eroticostranzei com uma de 17 aninhosmiguel tesudocontos eroticos mamae dondocaxvideo mae fica em taladawww.casadoscontos branquela arrombadacomo cosegui zap de gay velho de 50 anoporno gay derramou agua na calçaencoxada mau cobertacontos pornôs vingança órfã gangbangConto erotico mãe transando com pedreiro e filho vendo e depois vai querer tranzar com mãexisvideo casero gemida mas gostosanovinhas arredamdo a calcinha e mostrando tudoesposa sendo enrrabada por dois garçons no banheiro da churrascariaconto eu meu marido roludo nossos filhos na sacanagemtio pega sobrinha dentro do barco com a cabeça da pica bem grossa e mete toda na b***** dela sentadamaninho nao quer me comer contosvideo sexo no labirinto do innerconto erotico gay com padrasto velho coroa grisalhopeguei meu irmao gay e minha irma virgem fudendo nao aguemtei cumi os doisBucetao agoentando pintao no xvidiovideo chupando buseta dormindo de minha filha prezar que irmao prende na brincadeiraXvideo negra dormindo domado rolaitalianinha dormiu e pai comeu elacontos eroticos gays bombeiro sarado hetero me fudeu sem dopinto do mindigo regaso ninfeta ate elsmulhernopaudo boiContos mendiga pornoconto erotico gay branco dominador gosta de maltratar viado pretoContos pornos-estuprei a velhaConto erotico mulher recatada liberndo a puta reprimidawww.meninosgay.dandocucontos de incesto maê pega filho roçar o pênis no grelo da maeo surfista loiro me comeu contocontos bdsm enfiei uma agulha nos meus seiosWwwx vidios .con tirano tiranocabaso da vigerxvideo amador teens assustada quando entro de na xoxota de bruço xoxotacontos eróticos comendo o c****** da freirinha taradadona margarida metendo gostosocalça boiando na buceta da morena gostosa rola grossaxvideos sura de bosetasWxvidio comedo di ciueu quero assistirum filme pornografico lesbicas amor lesbico inesperado no pornodoidosexo suor e gemidosfilhinha da a buceta para irmao e padrastoContos eroticos de travesti pauzudo estuprando meninosgosando n calcinha d ninha irmamconto erotico gay velho pirocudo maltratou o cu do viado choraoconto erótico corno biContos éroticos taradão caralhudo arrombando uma prostitutavi a bucetinha virgem da minha amiga conto eroticoapica tatoda no cu da brasileira e ela pedi maisconto erótico crente negracontos eroticos escravasporno negao69contospornoeuqueroconto erotico, fodida da janelaCrentinhas cabacinhosquero ler conto erótico sogro f****** com a norabucetuda xoxota acucaradacontos erotico flagrado pela a sogra no banhomeu marido viciou em porra de machocontos eroticos foi dar o troco no maridao mas se deu mal grupalfudendo o cuzao dapropria mae incesto real com caralhudoSuper menininhas em contos eroticos 2017 da cidade de campinas gratiscoroa sai de saia e sandalinha pra fuder