O BARBEIRO NEGRO

Um conto erótico de Joseevan
Categoria: Homossexual
Data: 12/05/2011 13:36:04
Nota 9.67
Assuntos: Homossexual, Gay

Há alguns anos eu freqüentava a mesma barbearia, eles estavam na galeria há uns 20 anos e eu ia lá no máximo há quatro anos. Sempre fui fiel ao meu barbeiro. Num fim de tarde qualquer, eu cheguei e não o vi, um barbeiro negro se levantou e veio em minha direção, perguntei pelo profissional que me atendia e ele respondeu que não estava, apontou sua mão para uma cadeira vazia.

- Senta - disse num tom firme.

Eu sentei e ia dizer como queria meu corte quando ele começou a cortar. Tentei dizer alguma coisa, mas fui interrompido.

- Eu sei o que faço - falou seguro e confiante.

Aceitei, em virtude da segurança e firmeza que ele me passava. Só então comecei a reparar nele. Era alto, forte, musculoso, quarentão e tinha a pele de ébano. Ele ia cortando e eu ali quieto.

- Gosto de clientes tranquilos - ele dizia e acrescentou - já basta minhas namoradas tagarelando sem parar.

Fiquei ali e percebi que tinha prazer em fazer o que ele dizia. Nunca tinha sentido essa sensação, mas era bom ser conduzido, ainda mais por alguém com tanta convicção. Ficava o observando. Ele foi fazer minhas costeletas e quando tocou meu rosto, senti um arrepio e me surpreendi tendo uma ereção. O que era aquilo? O que estava acontecendo? Estava incrédulo. Ele me tocava e eu desejava suspirar. Ele terminou o corte, eu paguei e fui embora. Quando saía, vi meu antigo barbeiro num canto da galeria. Sem graça, expliquei o que aconteceu e pedi desculpas.

No mês seguinte voltei e os dois estavam lá. Pretendia voltar a minha rotina, mas o negão - Juvenal é seu nome - se levantou e apontando para a cadeira vazia disse para eu me sentar e eu obedeci. Nem olhei mais para o barbeiro, numa saia justa como essa, abaixei os olhos e só observava, vez por outra, o Juvenal. Quando acabou, eu paguei e ele olhou para mim.

- Vamos ali no bar - disse com seu tom autoritário e de quem tem o controle.

Ele pediu, eu fui. Chegamos lá, ele pediu uma cerveja e uma água para mim, sem sequer me perguntar. Achava estranho, mas gostava de estar ao lado de quem sabe o que quer. Não tinha muito o que falar e confesso que tentei puxar um papo. Ele me pediu que ficasse quieto e começou a conversar com outros frequentadores do local. Pediu outra cerveja e eu ali, quieto. Quando acabou, virou-se para mim.

- Paga - disse Juvenal, certo do que aconteceria.

Eu paguei e saímos dali. Na galeria, ele me disse que queria conversar comigo. Falou que era sobre o outro barbeiro. Que ele quis tomar satisfação com ele e que ele sabe como agir nesses casos, mas que prefere ter que evitar. Então, mandou que eu voltasse a barbearia e pedisse desculpas a ele dizendo que a partir de agora eu só cortaria o cabelo com ele, Juvenal, e que estava mais satisfeito assim. Que o Juvenal não teria nenhuma culpa nessa história. Eu concordei e ele nem agradeceu, apenas disse que era melhor do que ter dar uns tapas no sujeito. Eu percorri a galeria, no que pareceu ser uma das mais longas caminhadas que já tive. Entrei de volta na barbearia e falei para todos que pudessem ouvir. Fui embora arrasado, mas ansioso para a próxima volta, que dessa vez - por minha ansiedade aconteceu - em três semanas. Ele riu ao ver que voltei tão cedo.

- Por que demorou tanto. Veio cedo, hein - disse.

Quando acabou, a rotina do botequim e ele concluiu dizendo que era para eu ir na casa dele à noite, que ele ia terminar o serviço. Eu pensei em dizer que não estava entendendo - e não estava certo mesmo do que acontecia - só que gostava de obedecê-lo.

A noite fui até sua casa e o encontrei apenas de calças jeans, quando pude observar bem seus músculos e tórax. Ele estava em plena forma. Ele me trouxe uma bebida e eu bebi. Ficamos ali, vendo tv no sofá dele, quando ele me fez beber uísque. Relutei, mas não teve jeito, logo comecei a ficar mais desinibido. Ele se aproximou, colocou a mão por trás do meu ombro e sussurrou no meu ouvido:

-Vamos.

Não acreditava no que estava ouvindo.

- Sei que você quer, posso ver. Vejo como você gosta de me obedecer, não gosta? - perguntou cheio de autoridade.

- Sim.

- Assim que eu gosto.

Ele me puxou pela mão e me levou para seu quarto, era grande e com uma cama de casal e um armário antigo. Sem que eu me desse conta, me puxou contra seu peito nú e me beijou. Senti um certo nojo de início, nunca havia beijado outro homem, mas meu pau duro me denunciava o tesão. Ele me acariciava e rasgou violentamente minha blusa, quando eu soltei um grito.

- Segura a onda - ele mandou - Você ainda não viu nada.

Ele segurou no meu cacete e eu suspirei.

- Tá gostando? - perguntou.

- Adorando. Uma delícia! - respondi.

Logo ele desabotou a calça e pôs seu mastro a minha disposição. Tive dificuldade de engolir, mas para minha inexperiência acho que me saí bem. Lembrava das mulheres chupando paus nos filmes pornôs que via na adolescência. E me imaginava como uma delas diante de um garanhão de ébano. Quando ele se sentiu bem lubrificado, me colocou de bruços em sua cama. Mandou que eu abrissebem minhas pernas e pude sentir sua respiração no meu cangote e seu pau duro, em riste, roçando em minhas nádegas. Senti sua cabeça sendo posicionada em meu buraquinho, ele tentou entrar e sentiu resistência.

- Apertadinha, hein - comentou.

Tentou mais uma vez e dei um gritinho.

- Tá machucando, você tá bem apertadinha. Não vai me dizer que é sua primeira vez?

Respondi que sim. Ele riu e disse que tinha tirado a sorte grande, ia descabaçar uma virgem. Disse que ia agir com calma e carinho, para que eu não me preocupasse. Saiu e voltou com um creme, que lambuzou meu rego, os dedos deles e seu pau. Brincou com os dedos, introduzindo-os um a um, fazendo-me gemer de prazer e rindo de como eu estava gostando daquilo. Dois dedos, viraram três, que viraram quatro e logo eu começava a me sentir preparado para o mastro negro. Ele entrou devagarinho, eu suspirava e tentava acomodar ao máximo, doía e pensava em desistir, cheguei a tentar me levantar - ele se aproveitou e habilmente me colocou de quatro - aproveitou-se para deslizar com mais facilidade. A dor ia sendo substituída por prazer. Ele mandou eu agradecer por ele estar tirando minha virgindade e eu agradeci. Ele começou a me bombar e eu fui sendo cavalgado pelo meu barbeiro.

- Negão tesudo. Ju, você é demais. Continua, não para. - eu pedia.

Ele me deu um tapa na bunda e eu enlouqueci de tesão, rebolei, urrei e gemi como nunca antes. As mãos deles, grandes e calejadas, percorriam meu corpo e paravam para brincar com meus mamilos. Sentia seu saco batendo em minha bunda, ele aumentando a velocidade e sem aviso, um jato quente que me inundou. Ele gozou bem e jogou seu corpo sobre o meu. Dormimos assim e quando acordei, tomamos banho juntos, ele me fez fazer sexo oral mais uma vez e disse que gostaria da minha bundinha de novo, mas que para uma primeira vez, eu ainda devia estar dolorido. Pegou meu telefone e disse que me ligaria.

Fiquei esperando. O dia se passou e nada. Mais um dia e nenhum sinal. No terceiro dia, achei que não tinha sido bom, que não agradei ou que ele já tinha conseguido o que queria. No dia seguinte, achava que já se passara tempo demais e pensei em ir a galeria. A tarde, ele ligou para meu celular e disse que viria a minha casa. Pegou o endereço e eu voltei cedo do trabalho, para preparar um belo jantar.

Ele chegou, jantamos e bebemos, ele cerveja e eu vinho. Antes de terminar, me mandou para o quarto e me colocou de quatro em minha cama.

- Hoje serviço completo - falou cheio de marra.

Puxou uma navalha e ficou passando em minha bunda, ao redor do meu saco e do meu pau. Cheguei a imaginar o que aconteceria, mas o tesão era tanto, e ele acariciando meu pau de vez em quando, que deixei acontecer sem dizer um Ah. Ele foi ao banheiro e voltou com creme de barbear. Encheu minha bunda de espuma e começou a me raspar. Meu pau pulsava a cada navalhada, tamanho era o tesão que sentia.

- Me faz gozar - pedi.

- Quando eu quiser - respondeu ele contrariado - Nunca mais me peça isso. Você está aqui para meu prazer, entendeu?

Concordei com um tímido sim.

Ele me deixou bem lisinho.

- Gosta? - perguntou, enquanto eu passava a mão e via minha nova bunda.

- Sim, Juvenal.

- Então, paga. R$ 50 pelo serviço.

Eu ia reclamar, mas paguei.

- Trabalho de profissional.

Meteu um dedo e eu gemi, tentei rebolar.

- Tá no cio - falou sabendo a verdade.

Enfiou outro dedo e quando chegou a três, tirou.

- Até outro dia. Hoje vai ficar na vontade, por ter me pedido para te fazer gozar.

- Desculpa, desculpa, Juvenal. Você vai querer perder de experimentar minha bunda lisinha, como você preparou?

Sua resposta foi violenta. Me empurrou e se posicionou de forma que eu o chupasse. Segurou minha cabeça com força e controlou como eu o chupava. Assim que ficou duro, me enrabou sem dó. Eu gritei e ele só parou quando gozou. Desta vez, nada de banho, me fez dar outra chupada e então foi mais gentil, me comeu com carinho. Me fez gozar e gemer, suplicar e me encheu de beijos. Gozamos juntos e dormimos até tarde. Na manhã seguinte, preparei o café do meu homem e ele foi direto para o trabalho, mas antes deu uma rapidinha. Desde esse dia, Juvenal faz amor comigo quando quer e eu passei a admirar e ficar cheio de tesão por negros, ficando sempre a disposição deles para o que der e vier.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
15/09/2012 02:28:37
Adorei!!!
13/05/2011 16:51:17
Muito bom conto. Voce sempre foi um viadinho, só não havia descoberto isso. Agora carpe diem, aproveite.
12/05/2011 14:47:08

Online porn video at mobile phone


mulhe lavado abuçetaContos eroticos... Sindicato dos trabalhadoresxisvidio amadores de auguen metendo a forçacomendo a gostosa xvidel 1ou 2minutos xvidelcheirei a bunda da gorda conto eroticomulher lésbica defesa da tua mulher com a b***** dela arreganhadacao gigante fica emgatado na buceta da nefinha que gene de tesaofoi passear o cao e fodi a vizinhax videos sexo gratis marido masturbando passeiraeu sempre brincava com as coleguinhas de mimha irmã, e prdia para eles baterem punheta para mimlambendo dedo com coco scatvidios pornos das novela anos ataraisConto erotico comedor de casadassofri com pistulodo xxvideosla vem ela corrigir o meu bilau pornomanauense novinho gozando no xvideominha esposa dis q ta gosano filme pornoquero ver gatinhas novinhas na academia só mostrando e transando bichão p*********fiado loiro bonito e gostoso metendoacho que minha namorada gozou pq agente tava fazebdo sexo e a perna dela tava tremendofui comer e fui comidoconto erotico paga aluguelContoseroticoschoreiloirinha bêbada pornodoido na edicula os cara chegaram passando a mao na gostosa depois fuderam ela porno a.focano sofa com as outros do lado eles nao percebem disfarçando ponodoido xvideos xvideosconto gay internatoprivate relatos eroticos tiro saiu pela culatranerds gays conto eróticoxvideos pretinha arriando o shorte na rua"gozou na testa do meu corno"comendo o cuzinho dela ela chorando ele filmando escondido ela ferver na firma esconde dele comendo o cuzinho a bucetinha dela ela chorandoconto comi minha eguaé doido tia Lenatinha muito gostosa vê sobbrinho na punheta e xaiBuceta da egua piscando pidino rolamtk janela e aí me fala que eu comi a Babividio de puta lavano abuceta e tirano bora pra fora pornodoido.pai.aretando.filra.darmindomeu maridinho me deixou fuder na madrugadaleitinho do padrinho contos gayRelato de cornos submissoSuruba inesquecívelxvideotia pasa de camisola perto do sobrinho e ele fica com tesaovideos de velhos picudo fudendo bonzinho gays amadoresquero ver vídeo de novinha mostrando a b***** patinho que rola patinho de rola b*****contos porno na barracaContos na pescaria com tios e amigos me fazen d bixinha delesxvideos amiga derramou molho nela mesmaxisvedeo corno venu sua mulhe seno estrupadatirando vingidade de novinha com o negao do lado da maeizinha gostosa tambemcontos eiroticos leilaporncontos eroticos ninfeta curradaContos eroticos minha mae faz facina em casa so de roupas curtasconto erotico gay travesti velha esculachada por negaoMeninas gostosinhas se esfregando em homem quê popozaocontos eroticos de encoxada com marido do ladoJogadora de vole fomdo bucetanovinhas safda.encheu a buceta.de sabao liquido.para se sartisfazercontos irmazinha nossa punheteiraconto de genro que seduziu sogra casada e virou amantecontos picantes de amor gaysxsvideo Historias e relatos reais esposa pega marido dando o cu pro negraoXsvideos timida depilando o super dotadox vidios cumedo anausia virgeIsac -Hugo |Contos Eroticos zdorovsreda.ruirma bucerudasIncesto- Irmão brutamontes se apaixona loucamente pelo irmãozinho gay casadoscontosconto meu marido virou minha putacontos das bordas da conagosadas gg porra pt grelao arrombadaspornô sogra puxa calcinha de lágrimascontos picantes de amor gaysFilme potnou com muljetescontos de sexo depilando a sograguei era so a cabesinha mais o negao empurrou tudoFotos de picas alargadoras de cu de gaysnxvideo de padrasto gayesfregando so na portinha deixando ela toda mijadinha xvidiocontos minha esposa e seu ginecologistaconto gay contei pra ele que queria dar pra elemigre.me/w4IgEXvideos avó curva-se e neto enrraba-amae sentou no colo do filho acidentalmente e sentiu sua pica endurecer embaixo da xoxotamúsica de Tierry E aí parceiro que como você é o meu desejo te chatear o seu prazer escravo dos seus beijos Ai como eu quero te agarrarcontos fui encoxada no onibus e meu marido nem percebeuporno irma tremendo no pau ate o fundoMeu cão ralf me comeu contoconto pelado filho pai zdorovsredamulher megra emfregano abuçeta na cara nu puterocorno xxx veibidor trasparentesurpreendi mamae a ser comida pela vizinha boazuda conhtotrasei com a mae de meu amigo videoce1/13 a grande viagemporno obeza dano o cu