♥ MEU PADRASTO SAFADÃO

Um conto erótico de Môh Lyndinha
Categoria: Heterossexual
Data: 28/12/2008 19:08:34
Última revisão: 22/03/2017 11:54:36
Nota 9.49

♥ DIÁRIO SEXUAL DA MOH 5

Querido diário, hoje vai ser diferente, eu vou sorrir e será um sorriso convincente. Mulher é mesmo um ser esquisito, não é mesmo? Preciso confessar para você meu diário que sumi porque acredite, estava sem coragem de publicar esse conto que por sinal faz parte das minhas confissões sexuais mais íntimas que chamo carinhosamente de "MEU PADRASTO SAFADÃO".

Antes de começar quero me apresentar para vocês que vão viajar nessa minha historinha.

Meu nome é Mônique, tenho 1.72 altura e 59 quilos, cabelos no meio das costas castanho claros, bundinha bem durinha, peitos médios, pernas torneadas e cintura fina. Como diz minha mãe, uma magra falsa cheia de fogo no rabo, uma menina que se apaixona se bobear todos os dias por pessoas diferentes.

Estou no primeiro período na faculdade de Farmácia, adoro dançar, treinar musculação, viajar, namorar, beijar na boca e transar. Ai!!! Como é bom, mas tenho que confessar para vocês que transar apaixonadinha é MUITO melhor do que transar só pelo prazer carnal.

Na época em que tudo aconteceu eu tinha dezoito aninhos de idade. Saímos para comemorar o aniversário de 40 anos da minha mãe em uma boate aqui no Rio de Janeiro. Minha mãe se chama Laura ela é viúva, meu pai veio a falecer quando eu tinha quatro anos de idade, desde então ela teve alguns casos sem nenhuma importância, até conhecer esse homem que mudaria nossas vidas. Um médico coronel de 53 anos, moreno, alto, musculoso, cabelos grisalhos e bastante sedutor que a deixou apaixonadinha por ele.

O aniversário dela caiu numa sexta feira. Eu estava no trabalho quando ela me ligou comunicando que tinha decidido ir com alguns amigos comemorar numa boate da Barra da Tijuca aqui no Rio de Janeiro e me intimou a comparecer.

Eu achei o máximo, adoro agito e queria conhecer novas pessoas. Estava saindo com um homem bem mais velho e casado, e me envolver exclusivamente seria uma decisão muito difícil a ser tomada, mesmo tendo perdido a virgindade com ele me achava muito novinha e também não sei se era isso que realmente queríamos.

A noite na faculdade, assisti os dois primeiros tempos e fui pra casa me arrumar. Coloquei um vestidinho de alça preto curtinho, bastante justo no corpo que destacava bem minhas pernas douradas com uma sandália preta salto alto. Tomei um banho de perfume e liguei para algumas amigas combinando a noitada que prometia ser bem agitada.

Estava bem bronzeada, meus cabelos castanhos ganharam alguns fios mais claros devido ao sol pois tenho ido praticamente todos finais de semana à praia. Estava me sentindo irresistível, pronta para causar na noite carioca.

Chegando boate, deixei o carro no estacionamento que estava lotado. Indo na direção a bilheteria. Quase fui atropelada por um maluco que entrou a toda velocidade no estacionamento. Xinguei muito o infeliz que quando notou minha indignação ficou sem graça implorando minhas desculpas. No fundo eu sabia que ele queria algo mais, pois se fosse uma morta-viva sem graça ele teria esculachado ou não dado a minima atenção. Conheço bem esses tipos de corôas que querem se passar por garotões.

Acabei entrando na boate por volta das 1:45 hora da madrugada, o pessoal já muito louco dançava e se divertia muito. Dei um beijão na minha mãe e falei com seus amigos que praticamente conhecia todos, recebi vários elogios e algumas cantadas de alguns mais sem vergonhas. Fiquei um tempo com eles no camarote e depois desci, fui ficar com meus amigos que estavam na pista de dança. Minha mãe pediu para que eu não sumisse pois queria apresentar seu mais novo namorado!

Encontrei a Patricia, minha irmã de alma(ela esta em vários contos meus). Dançamos muito, nos acabamos pra valer na pista sendo azaradas por diversos rapazes. Bastante suadinha parei um pouco de dançar e fui para o bar beber, já estava me sentindo bem soltinha, e quando me solto eu chuto o balde. Foi quando senti alguém puxar de leve meu cabelo. Eu estava sentada de costas para essa pessoa e virei, me assustei, se tratava do infeliz do homem do estacionamento que logo foi se apresentando. Seu nome é Otávio. Um cara bem abençoado que apesar de todos requisitos meu santo não bateu com o dele de cara. Parecia um daqueles cafajeste louco por uma novinha para terminar à noite num desses motéis de luxo da Barra.

Depois de alguns drinks com a Patricia subimos para o camarote e fomos procurar minha mãe, perguntei por ela e o pessoal falou em tom de risadas que ela tinha saído com um moreno alto muito bonito. Depois de alguns minutos ela apareceu do nada me puxando pelos braços querendo me apresentar ao seu namorado. Gelei na hora, vi que era o mesmo carinha do estacionamento, minha coragem fugiu e me deixou sem graça. Depois das apresentações minha mãe perguntou ao Otávio se realmente eu era linda e que era exagero todos elogios que ela tinha feito sobre minha beleza. Otávio respondeu sorrindo que eu realmente era muito bela e que éramos muito parecidas, me deu os parabéns por ter uma mãe tão maravilhosa e com os olhos fixos no meu corpo disse que via em mim minha mãe com alguns anos a menos.

Minha mãe contou ao Otávio que eu queria estudar Educação Física mas acabei optando por estudar Farmácia. Otávio é médico tem uma clinica particular e também trabalhava no hospital do exército!

Quase uma hora depois de conversa a Patricia veio falar que estava querendo ir embora para casa, foi uma deixa para eu ir também. Me despedi do pessoal, dei dois beijos no rosto do Otávio e falei com minha mãe que iria dormir na casa da Paty e só voltaria no domingo. Minha mãe me abraçou forte e pediu para ligar no sábado e que eu me cuidasse.

Algo bem esquisito estava acontecendo comigo, senti uma atração muito forte por aquele homem logo após saber que ele era o tal namorado da minha mãe, ainda não sabia explicar o porque já que minutos atrás odiava essa pessoa.

Resolvi ir para casa pensar um pouco. Chegando em casa entrei nas redes sociais da minha mãe e depois de alguns minutos procurando vi a foto dele, entrei no seu perfil e vi o quanto ele era fascinante. Um militar, um médico interessante e bem sedutor.

Saindo do computador fui para o quarto da minha mãe, deitei na cama dela de bruços e com as pernas arreganhadas só de calcinha e fiquei esperando ela chegar abraçadinha ao travesseiro para conversar e contar como havia conhecido seu namorado antes de sermos apresentados.

Escutei o barulho da porta, em um impulso momentâneo corri para dentro do closet e fiquei esperando ela entrar no quarto na intenção de lhe dar um susto. Para minha surpresa minha mãe não estava sozinha, ela entrou no quarto já se pegando com o Otávio, fiquei quieta entre as roupas esperando uma oportunidade para poder sair daquela situação constrangedora que me encontrava, somente de calcinha dentro do closet do quarto dela.

Ouvi um gemido junto com estalos e fiquei curiosa, me aproximei da porta do closet e abri um pouquinho bem devagar, o suficiente para ver os dois. Minha mãe estava apoiada na cabeceira da cama com o vestido levantado mostrando a calcinha e Otávio segurava pescoço dela com uma das mãos e com a outra batia na bunda da minha mãezinha com força. Quando vi aquilo senti uma sensação estranha, senti tesão sei lá. Coloquei a mão na vagina por dentro da calcinha já um tanto molhada e fiquei observando. Depois de algum tempo, minha mãe com o bumbum bastante vervelho, pediu que ele a penetrasse. Eu não acreditei que estava vendo algo tão estranho por ser tratar da minha mãe e ao mesmo tempo tão prazeroso e tão maravilhoso que logo senti minha xoxota piscando e os bicos dos meus seios rígidos te tanto tesão.

O cacete do Otávio era enorme com a cabeça vermelha e as veias saltadas. Eu nunca havia visto nada parecido nem em fotos, sentei no closet e fiquei olhando para aquilo entrando lentamente na racha da minha mãe que gemia e se contorcia falando coisas do tipo: "me fode, me come, me rasque, está gostoso demais, vou gozar". Essas palavras me enlouqueciam de tesão a ponto de perder a noção da onde estava e deixando escapar alguns gemidinhos.

O Otávio depois de algum tempo bombando na boceta da minha mãe, disse que iria gozar, ela empinou bem a bunda e mandou ele encher sua xota de porra. Otávio agarrou minha mãe pela cintura e estremeceu seu corpo, percebi o quanto ele estava gozando na xota dela e ela pelo jeito já havia gozado segundo antes.

Otávio e minha mãe ficaram agarrados alguns minutos até que ela tirou o pau dele de dentro da sua boceta que mesmo meio mole era muito grande e começou a chupa-lo novamente deixando-o limpinho.

O pau do cretino novamente cresceu no mesmo tempo em que ele alisava o cu dela, então mamãe disse que hoje por ser uma noite especial estava inspirada e resolveu dar o cuzinho apertado pro seu namorado e que ele poderia gozar no seu rabinho.

Otávio colocou minha mãe de ladinho, abriu sua bundinha e começou a passar a língua na ruela dela. Logo depois enfiar um dedo e depois dois soltando suas pregas uma por uma. Minha mãe gemia de tanto prazer, isso me deixava tremula dentro do closet. Ela gemia e falava para colocar a língua lá dentro do rabo dela e sugar seu cu.

__ Vai Otávio, meu cu tá piscando só para você!!! Passa mais esta língua no meu rabo, vai me devora, esse rabão é todo seu!! Aproveita meu macho!!

Depois de um banho de língua no rabinho da mamãe Otávio colocou ela de quatro, ficou de pé na cama, encaixou a cabeça do seu pau na entradinha do ruela dela e meteu tudo de uma só vez tirando gritos de dor. Otávio parou, ficou um tempo sem se mexer tocando a xota da mamãe com a mão, ela começou a se acostumar e gostar, foi quando ele começou a bombar novamente tirando quase tudo, só deixando a cabecinha, ela gritava de prazer me deixando cada vez mais louquinha gemendo baixinho com a calcinha no joelho dentro do closet. Em um certo momento da trepada minha mãe gritou:

__ Otávio eu não aguento mais de tesão, mete com força, me enraba, me possua com essa vara.

Minha nossa como era gostoso tudo aquilo que eu estava vendo, a grande maioria dessas meninas da minha geração não sabem o que é esse tipo de prazer em dar o cu e ser também chupada lá no buraquinho por medo de sentir dor e nojo.

Eu perdi o controle com aquele visual e quando dei por mim Otávio estava metendo forte no cu da minha mãe e sorrindo através do espelho para mim. Quase desmaiei, fechei a porta do closet e fiquei encolhidinha esperando a hora em que ele iria abrir a porta e me entregar. Nisso, ficava tentando me convencer que tinha imaginado que ele tinha me visto e que nada daquilo era real.

Após alguns minutos escutando gemidos e gritos, gritos não e sim berros, minha mãe se levantou e foi para o banheiro. Otávio foi em seguida. Aproveitei o momento e sai do closet, corri para o meu quarto, entrei debaixo do lençol e fiquei em silêncio. Aquela sena entre os dois não saia da minha cabeça, estava com a calcinha suadinha e a vagina pegando fogo e bastante molhadinha.

Logo depois peguei no sono com aquela incerteza de que o Otávio tinha me visto ou, não passava da minha imaginação provocada pela emoção em ver minha mãe trepando com um gostosão.

Acordei com minha mãe entrando no quarto. Ainda com muito sono não dei conta que estava nua e das coisas que tinha visto antes de dormi. Minha mãe perguntou porque eu tinha voltado para casa se tinha dito que iria dormi na casa da Patricia e ao tirar o lençol que cobria meu corpo viu que eu estava totalmente despida, me deu uma tremenda bronca por essa minha mania de tirar a roupa dormindo amanhecendo completamente pelada.

Contei uma historia qualquer para mamãe que pediu que eu vestisse logo uma roupa pois o Otávio estava em casa. Esperei ela sair, me encolhi toda e entrei debaixo do lençol sem querer acreditar no que tinha acontecido.

Eu fiquei super sem graça principalmente de encarar minha mãe, de ter ouvido ela falar palavras que nunca pensei que usasse!!: "Me fode!!Mete gostoso na Xota!!!Me Rasque!!Fode meu Cu!!"

Aquilo me dava arrepios, não sei explicar o que realmente sentia. Se foi inveja, se foi tesão, se foi atração por eles, ou pode ter sido tudo isso um pouco, mas não há uma palavra que defina. Sei que senti e sinto um calafrio só de pensar!

Semanas depois a situação continuava cada vez mais insustentável, procurava evitar encontrar com Otávio, sempre que minha mãe falava que ele viria ficar com ela aqui em casa dava uma desculpa e passava o dia fora. Mas isso durou pouco pois Otávio cada vez mais ia se instalando em nossa casa e fazendo parte das nossas vidas.

Aquele homem fazia meu sangue ferver tanto que sentia vontade de nocauteá-lo. A gente brigava muito e ele estava se tornando um chato a cada dia que passava insistindo em me chamar de "sua filhinha".

Durante o dia sentia ódio, de noite os gemidos que vinham do quarto me dava tesão. Minha mãe e meu padrasto faziam sexo à noite toda, e do meu quarto dava pra ouvir tudo. Minha calcinha ficava molhada, meu corpo se arrepiava, ficava a ponto de invadir o quarto deles e me jogar no meio dos dois implorando por sexo.

Tem dias que a noite é mesmo foda, de madrugada com aquela vontade de beber água tinha que esperar os gemidos cessar para ir até a geladeira, mesmo desconfiando que ele estava esperando eu sair do quarto para ir atrás me espiar.

Descalça, vestida apenas com uma camisolinha curta transparente e bem sensual que deixava a mostra a calcinha branca de renda que por sua vez deixava aparecer a metade do meu bumbum fui até a cozinha. Não deu outra, percebi que estava sendo observada, havia escutado um barulho que parecia de porta se abrindo e fechando devagar. Se fosse minha mãe era bronca na certa mas se fosse o Otávio ele ia ficar louquinho em me ver daquele jeito.

Coloquei o copo no filtro da geladeira, apertei a torneira, empinei o bumbum deixando as pernas juntas e bebi a água lentamente. Em seguida me agachei e comecei a fazer carinho na cabecinha do nosso gatinho, senti a calcinha entrar dentro da bunda e ao levantar, com os dedos à retirei bem devagar, suspendi um pouco a camisola deixando o bumbum aparecer por completo. Comecei a fazer alongamento, colocando as pernas uma de cada vez no assento da cadeira e enquanto levantava os braços, deixava bem à mostra a bundinha. Escutei alguns ruídos que me deram a certeza que Otávio estava me observando. Virei rápido e pude vê lo batendo punheta, ele se assustou e correu, pude escutar o barulho da porta do quarto abrindo e fechando, fui até aonde o Otávio estava e comprovei o que tinha visto. O chão estava sujo de espermas, Otávio tinha gozado. Agora cada um guardava um segredinho do outro.

Meses depois nossa situação continuava a mesma, a gente morrendo de tesão um pelo outro mas ao mesmo tempo demostrávamos total indiferença.

Tudo começou a mudar em um dia em que acordei um pouco tarde, liguei para o trabalho da minha mãe lembrando do pagamento da faculdade e da academia que ela havia esquecido de deixar. Ela pediu que viesse buscar o cheque. Liguei para o meu trabalho dizendo que iria chegar um pouco atrasada, em seguida tomei um banho rápido e vesti o uniforme. Blazer, saia azul marinho alta e no meio das coxas com um rasco atrás, camisa branca, lenço vermelho no pescoço e sandália fechada preta.

Chegando no centro empresarial dei de cara com Otávio que sorriu para mim e logo pude perceber o volume do seu mastro na calça, subimos juntos para a empresa da minha mãe em silencio. Minha mãe me entregou o cheque, ficamos conversando por alguns minutos e ela pediu ao Otávio que me desse uma carona até o meu trabalho pois já estava bastante atrasada.

Deixamos a sala em direção ao elevador de carga pois os outros dois estavam em manutenção. Enquanto aguardávamos senti que Otávio queria comentar sobre o que cada um guardava de segredo do outro. O elevador chegou com alguns passageiros que como nós preferiram subir até o último andar evitando assim o congestionamento provocado pelo grande fluxo de pessoas que iam almoçar. Procuramos ficar mais ao fundo possível bem atrás de algumas caixas que estavam sendo coletadas de alguma sala por um senhor idoso.

Propositadamente Otávio deixou que eu ficasse à sua frente. Naquela situação era quase inevitável que minha nádegas a qualquer momento roçassem seu cacete, pois a cada parada tínhamos que recuar um pouco mais, como estava de salto alto nossa altura praticamente era a mesma. Ao chegarmos ao décimo sexto andar já não cabia mais ninguém, mesmo assim uma senhora gorda insistiu e entrou, fazendo com que todos reacomodassem, nos deixando encostados na parede bem no fundo do elevador.

Otávio estendeu sua mão, passou entre os fios do meu cabelo juntando e colocando de um lado somente, pra frente do meu ombro e no mesmo tempo que falava qualquer coisa no meu ouvido que não deu pra entender, ele não parecia estar nervoso mas sim ansioso com o que estava por vir. Meu padrasto me puxou pela cintura ainda mais ao seu encontro. Assustei-me, não esperava sentir seu corpo tão próximo ao meu, com isso sentir seu pau totalmente duro forçando minha bunda.

Não é fácil admitir mas sempre tive um enorme fetiche em elevadores. Sou daquelas mulheres que ficam olhando as pessoas e imaginando como elas seriam trepando. Estar com esse homem na proximidade de desconhecidos em um ambiente fechado, o movimento dos andares, o calor, tudo me deixava com a maior vontade de fazer loucuras.

Podia sentir seu pau duro roçar minha bunda sem que eu pudesse evitar tal o aperto dentro do elevador. No inicio fiquei apreensiva com receio de alguém perceber ou a câmera de segurança registrar o que estava acontecendo dentro do elevador.

Permaneci quieta, procurei me acomodar de forma que minhas nádegas ficassem confortavelmente imprensada ao seu cacete, me deliciando com prazer que isto nos proporcionava.

Estávamos no décimo segundo andar e o elevador apesar de lotado parava em todos os andares. Sempre olhando discretamente me assegurava que ninguém estragasse o clima da nossa viajem. Iniciei um discreto balanço dos quadris, movimentando levemente de um lado para o outro empinando a bundinha para trás. A sua excitação era facilmente notada pelo estado latejante do seu cacete forçando minha bunda e me deixando cada vez mais excitada.

Foi aí que a eu olhei para ele e disse bem baixinho sorrindo, daqui a pouco você vai estar dentro de mim. Acho que foi a primeira vez que sorri para ele. Otávio então me olhou, mordeu os lábios querendo me seduzir e respondeu:

__Quem manda ser tão maravilhosa filhinha.

Olhei para um lado olhei para o outro, disfarcei fingindo ajeitar a saia e coloquei uma das mãos para trás dentro da sua calça que já estava com o zíper aberto, segurando seu cacete e apertando-o. Otávio por sua vez voltou a sussurrar baixinho no meu ouvido mas dessa vez eu entendi, ele queria saber se eu era virgem, dei uma risada. Otávio sorriu, apertou meu bumbum por dentro da saia e logo sua mão já estava entre minhas nádegas sentindo o suor do meu ânus. Não demorou muito e invadiu minha vagina já bastante molhadinha e com movimentos circulares enfiou os dedos indicador e médio nela. Confesso que fui a lua e voltei de tanto prazer que esse momento me proporcionou!

Otávio perguntou se poderia colocar sua piroca por baixo da minha saia. Eu falei:

__Tenta, faz de conta que não estou vendo.

Ele então se afastou um pouco, enfiou a mão no bolso colocando em seguida seu pau pra fora da calça. Com o volume da sua piroca bastante dura levantou minha saia entre o decote, ou seja, no momento em que ele se afastou com dificuldade, encaixou seu pau no rasco da minha saia, eu dobrava um pouco os joelhos empinando a bundinha o suficiente para o seu pau esfregar na minha vagina. Otávio me encoxava deliciosamente, mordendo minha nuca. Já estava extremamente excitada com essa provocação toda.

Eu continuava mexendo bem devagar o quadril, de um jeito suave para ninguém perceber, de um lado para o outro só para deixa-lo ainda mais louco, e mais louco ele ficou quando percebeu que eu estava com a raxa molhadinha.

Foi aí que com alguma dificuldade enfiei a mão entre mim e ele, puxei minha calcinha para o lado abrindo minha bundinha, em seguida direcionei seu pau na entrada da minha vagina. A posição era bastante imprópria Otávio não conseguiu penetrar, mesmo tendo um pênis avantajado. Logo com movimentos suaves ele gemeu no pé do meu ouvido agarrado em minhas costas, despejou toda o seu tesão reprimido entre minhas coxas. Eu com as pernas um pouco abertas continuava desfrutando de um pau grande amolecendo entre minhas coxas.

Ao chegarmos ao andar térreo Otávio meio súbito, meio sem jeito, meio calado falou:

__ Poxa Mônique, eu não aguentei o tesão e gozei, juro que não imaginava que ia ser desse jeito!

De forma maliciosa, respondi:

__ Calma moço eu tomo remédio e mesmo assim foi só na coxa eu acho, você não vai ser papai, ou vovô sei lá.

Mais do que depressa ele se afastou de mim colocando seu pau para dentro da calça, eu ajeitei a saia e a calcinha totalmente melada de porra com olhares esquisitos de indignação do senhor idoso que transportava as caixas e comentava baixinho algo como: "Esse mundo está mesmo perdido", mas não demos importância, tudo tinha sido bom demais. Em seguida saímos apressados e fomos para o estacionamento pegar o carro, Otávio escondia sobre o palito a mancha na calça social suja de espermas. Dentro do carro retirei a calcinha guardando na bolsa. Fiquei Imaginando como seria a noite da minha mãe, Otávio ia descarregar todo seu tesão nela, enquanto que eu ia ficar rolando na cama de um lado para o outro suando de tanto tesão suplicando pelo seu pau maravilhoso novamente.

Otávio revelou que com frequência tinha sonhos eróticos comigo acordando com a cueca melada de tando gozar.

__ Pois é Monique, vou passar mais uma noite te desejando e sonhando com você? (ele falou quase num lamento)

__ Por quê? (Indaguei fingindo não ter entendido).

__ Porque o desejo não me deixa dormir, fico excitado pensando em você e quando durmo sonho que estou te comendo e acordo melado, certifico que sua mãe esta dormindo, ela tem sono muito pesado e vou ate seu quarto apreciar seu corpo nu quase todo fora do lençol.

__ Danadinho, eu nunca percebi isso, mas que safadinho você é! (respondi rindo com malicia no olhar como se fosse surpresa pra mim que nos últimos dias deixava a porta aberta propositalmente imaginando que um dia isso fosse acontecer)

De noitinha, chegando do trabalho toda alegrinha por ser sexta feira e não ter faculdade e nem que trabalhar no sábado, tranquei a porta do meu quarto, me despi totalmente e fiquei rolando na cama agarrada ao travesseiro pensando no Otávio e nas coisas que estava acontecendo entre nós. Eu não queria me apaixonar, não mesmo, mas em algum momento ele sorriu e puta merda estragou tudo, me sentia totalmente apaixonada por aquele homem. Na verdade de uma forma meio desesperada eu queria que fosse amor.

Enfim chegou o dia, depois de meses angustiante, depois de noites sem dormir só escutando gemidos e gritinhos de prazer da minha mãe e do Otávio, chegou o meu dia. Meu padrasto me liga no meio da tarde dizendo palavras lindas, eu caladinha escultava aquele homem sussurrando no telefone perguntando assim: Quando vai chegar o dia em que eu vou poder te beijar, te abraçar, sentir o calor dos seus braços, nossa, é tudo que eu mais quero, quando vai chegar o dia em que eu vou poder te beijar, te tocar? Quando vai chegar o dia em que eu vou poder sussurrar no seu ouvido : “Eu te amo”! Estou indo pra casa agora, quero você!

Corri para o banheiro, tomei um banho gostoso de banheira com essências e óleos naturais, que deixaram minha pele muito mais macia, aloirei os pelinhos, e aproveitei para depilar a virilha mesmo com tanto nervosismo. Coloquei uma calcinha bem sexy, um vestidinho estampado bem soltinho e sem sutiã, um sapato bem baixinho tipo sapatilha e fiquei debruçar na varanda com o vento batendo no cabelo olhando para baixo para ver o momento que o carro do Otávio surgisse. Hora maldita que não passava, as horas e o minutos nunca demoraram tanto.

Sem que eu percebesse ele entrou no apartamento em silêncio, se aproximou e sem falar nada começou a me beijar por trás e com as mãos por dentro do meu vestido acariciava meus seios durinhos, na hora resisti lembrando que se tratava do marido da minha mãe, mas o tesão falou mais alto e essa frase veio logo na minha cabeça: "Melhor dia pra ser feliz : Hoje!"

A sensação era exatamente essa, parecia que estava vindo uma onda gigante na minha direção e eu não podia fazer mais nada. Que loucura que era aquela língua percorrendo minhas costas, Otávio se agachou e levantou meu vestido na altura da cintura encaixando seu rosto com força no meio da minha nádegas, afastou minha calcinha para o lado segurando com os dedos me deixando tremula com o corpo em febre, abriu um pouco minhas pernas me dando um banho de língua no cu e na xota.

Depois desse oral ele me pegou no colo e seguimos ate meu quarto, Otávio me jogou na cama pulando sobre mim, dizendo que hoje ele ia me comer gostoso e que ia me fazer gozar como eu nunca gozei antes na vida. Aquelas palavras me deixaram com a xota totalmente lubrificada e assustada fiquei quando ouvi um barulho de longe, era porta de entrada da sala se abrindo e fechando, era minha mãe que estava de volta do trabalho.

Otávio correu para o seu quarto enquanto eu pálida e nervosa disfarçava ao máximo mexendo no celular. Minha mãe se aproximou e falou:

__ Amor tire os sapatos de cima da cama! Pediu e eu revirando os olhos, tirei os sapatos com os próprios pés deixando-os cair ao lado da cama. Sentando-se do meu lado na cama minha mãe passou uma das mãos pelo meu cabelo devagar, me abraçando e com seu rostinho de mulher apaixonada largava elogios para minha pessoa, dizendo que eu estava cada dia mais linda e gostosa e que o homem que eu escolhesse seria a pessoa mais sortuda e feliz do mundo, que eu tinha me tornado uma mulher deliciosa e sensual mas que eu me valorizasse pois mulher não é boneca inflável, só tem quem pode. Levar muitos corpos pra cama é fácil, quero ver aguentar o tranco de conquistar corpo e alma, até o final. Tantas palavras e eu num único pensamento de dar tudo e mais alguma coisa para seduzir de vez meu padrasto.

Veio a noite e com ela o sono, tinha sido um dia muito agitado, apaguei. Altas horas da noite acordei e fui beber água notando o silêncio no quarto da minha mãe e do Otávio. Tirei o vestido ficando somente de calcinha e voltei a dormir mas logo acordei com o Otávio pedindo para eu falar baixinho ao mesmo tempo que me beijava mordiscando meus lábios carnudos. Minha respiração ficou bastante ofegante, meu coração parecia que ia saltar pela garganta. Seu cheiro, seu gosto me enlouquecia. Otávio parou de me beijar, arriou minha calcinha e começou a lamber minha virilha e logo estava chupando meu clitóris e minha vagina. Otávio sugava de um jeito que parecia que minha alma ia sair do meu corpo e ao mesmo tempo que enfiava a língua e o dedo no meu cu. Eu me retorcia toda, estava completamente atordoada de tanta excitação, de tanto tesão, gemendo baixinho com medo da minha mãe acordar.

Otávio ficou em pé em frente a cama, nossa que homem forte, com um olhar apaixonado colocou três dedos dentro da minha boca que logo foram chupados, beijados e mordidos, em seguida tirou para fora da cueca aquele seu pau enorme e duro como uma tora. Não pensei duas vezes, ajoelhada entre ele e a cama segurei o pau dele com as duas mãos, com uma acariciei suas bolas, com a outra comecei a masturba-lo e logo abocanhei todinho dentro da minha boca. Que cacete gostoso! Chupei de tudo quanto foi jeito. Lambia, chupava, lambia as bolas, lambia a cabeça, punhetava com a mão e com a boca, cuspia, babava e engasgava já com os lábios dormentes de tanto chupa-lo. Meu Padrasto já estava ficando maluco quando avisou que ia gozar dai partimos para uma espanhola, estava morrendo de vontade de levar porra e não demorou muito e ele gozou gostoso nos meus seios imundando meu queixo e meu rostinho com seu leite grosso. Em seguida nos abraçamos ajoelhados na cama, ele me beijou como um louco tarado e disse:

__ Filha, você é uma puta gostosa que sua mãe fez para mim.

Aquelas palavras me deixaram mais excitada, percebi que mesmo depois dele ter gozado o seu pau ainda continuava um pouco duro, e que bastava um carinho para ele endurecer por completo. Foi quando deitei na cama de ladinho com as pernas para cima e arreganhadas e disse pra ele:

__ Vem socar a bucetinha da sua filhinha, papai, já não aquento mais!

Ele prontamente atendeu meu pedido e veio com aquele cacete enorme enfiando bem devagar na minha raxa molhadinha de tesão. Que delicia sentir aquele pau duro dentro de mim, eu estava completamente louca com uma vontade enorme de gritar de prazer mas tive que me conter com sua mão tampando minha boca. Otávio metia devagar e as vezes alternava com estocadas mais fortes e mais profundas esfregando seus dedos no meu clitóris e em seguida mandando eu chupar seus dedos melados pelo seu néctar, seu pau tocava meu útero fazendo eu sentir muita dor, ele então mudou de posição sentando na beira da cama. Colocou-me pra cavalgar, eu cavalgava como uma verdadeira vadia. Rebolava, cavalgava, rebolava, beijava a boca enquanto Otávio chupava meus peitinhos e enviava o dedo no meu cu, segurando minha cintura controlava meus movimentos. Ficamos nessa posição por muito tempo eu só conseguia gemer, segura-lo pelos cabelos e gravar as unhas na sua costas. Minha vagina começou a esquentar e gozei como nunca, recebendo jatos de porra nela. Nessa momento tive múltiplos orgasmos coisa que até então nunca tinha acontecido comigo.

Ficamos quietinhos nos acariciando e logo a vontade voltou e ele veio pra cima de mim como se seu tesão tivesse multiplicado. Otávio me colocou de quatro, fiquei com a bundinha empinada e o rostinho encostado na cama.

Ele parou por um momento, não se conteve com o visual da vagina e o cuzinho todinho pra ele e começou a me chupar novamente bem gostoso. Chupava minha raxa e meu rabo que nessa hora também já estava todo melado pelo esperma que escorria, então ele parou de chupar e enfiou um dedo e depois dois dedos no meu cu soltando minhas pregas uma de cada vez, nessa hora não me contive e lembrando dele comendo o cu da minha mãe pedi pra meter no meu rabinho com bastante carinho que queria sentir aquela dor gostosa.

Otávio direcionou o cacete na entrada da minha rosca que já piscava de tesão só de pensar que ia ser penetrada pelo mastro imenso que tando me causou inveja ao vê-lo arrombando o cu da minha mãe. Pedi pra ir devagar e ele com cuidado foi colocando aquela piroca na minha ruela pouco á pouco. Gente sem explicação a mistura de prazer e dor que senti no momento.

Meu padrasto me segurou forte pelos cabelos e outras vezes me sufocou apertando meu pescoço com força, em seguida começou a bombar com violência, na hora não me contive e coloquei um travesseiro na cara para abafar meus gemidos. Otávio socava sua pica e eu gemia tremendo as pernas, que pau delicioso, e num suspiro profundo gozei intensamente com os dedos massageando meu clitóris inchado e enfiados dentro da buceta. Otávio também não se conteve e depois de fuder muito o meu rabinho gozou jorrando dentro sua porra quente. Ele ainda ficou com o pênis dentro por algum tempinho e quando tirou, meu ânus se contraiu e começou a babar de tanto sêmen que ele depositou.

Otávio então me beijou e falou que não foi só tensão foi a melhor trepada da sua vida e que me desejou deste o primeiro dia que me viu no estacionamento da boate.

Logo depois meu padrasto se vestiu, no pescoço aquela marca de batom e pelo corpo mordidas e arranhões. Eu corri para o banheiro meio tonta e com o corpo dolorido mas bastante feliz , no espelho pude ver o estrago que meu amor tinha feito no meu corpo que exalava nossos odor. Otávio voltou para o quarto da minha mãe que dormia num sono profundo.

Morro de inveja das noites em que minha mãe e Otávio transam deixando escapar gritos e gemidos de prazer, por outro lado meu padrasto fica desconcertado quando me vê com algum namoradinho. Eu queria viver, sentir, saber, conhecer mais de perto aquilo que não tinha um nome certo, mas que eu queria que fosse amor.

Depois desse dia nos tornamos amantes, nas madrugadas em que levanto para beber água, Otávio surge e sempre acabo ganhando umas dedadas e depois me deliciando com seu membro na minha boca, pagando boquete e engolindo a gozada para não deixar pistas. Meu padrasto me come gostoso em casa invadindo meu quarto, enquanto minha mãe dorme, ele diz sempre que será a última vez que a gente vai fazer isso e eu fico possessa mas na noite seguinte adivinha quem vai me procurar no quarto com vontade de dar uma metidinha.

Otávio fala que sua maior fantasia é trepar um dia comigo e com minha mãe juntas, apesar de ainda não estar preparada para isso, não jogo fora essa possibilidade de pagar pra ver pois qual é a graça de viver neste mundo e ser igual a multidão. Então se um dia rolar eu conto aqui para vocês.

FIM

Aí galera, votem e comentem !

BEIJOS

Moh Lyndinha ♥

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
06/01/2019 22:19:29
DENTRE MAIS DE CENTO E CINQUENTA MIL CONTOS, ESTE É O NONAGÉSIMO-SEGUNDO (92) MAIS COMENTADO DO SITE, COM 116 VOTOS. Bem escrito, merece a nota máxima.
29/06/2018 16:28:07
Não sei quem é o mais safadão da história. Ele ou você contando com todo esse prazer, deixando todos excitados e molhados de desejo! Conto maravilho! Nota 1000! Quando poder leia o meu conto também. Bjos !
25/07/2016 14:59:16
garotas do litoral d são paulo, capital e interior q curtem coroas e sexo sem compromisso mandem email com whats para
11/06/2015 15:51:14
mto bom o seu conto!
11/06/2015 15:51:10
eita mas saiu otimo
13/12/2014 15:20:51
Viajei como se fosse teu padrasto querida...
12/12/2013 17:37:40
Bom,mas muito longo
10/12/2013 19:09:00
os que deram zero devem fazer amor com suas mãos e não conhecem um amor de verdade..história longa?sim...mas muito linda!!!
23/04/2013 21:29:19
Delicia de conto!! Nota 10
23/10/2012 21:19:14
Delicia de conto!!!
15/04/2012 19:07:13
Gostei de seu conto!!! Nota DEZ!!! Vou estar de @@ em suas publicações!!! Leia, vote e comente meus Contos Eróticos: * A cliente que virou amante virtureal por um instante> //is.one-seo-capital.ru/findporn/texto/* A Pastilha do Prazer Sexual> //is.one-seo-capital.ru/findporn/texto/* Clube De Casais com WEB-CAM ao Vivo e muito tezão!!!!> //is.one-seo-capital.ru/findporn/texto/* Em cima da cama do falecido na casa alugada...> //is.one-seo-capital.ru/findporn/texto/* Uma tarde quente com uma exeCUtiva>> //is.one-seo-capital.ru/findporn/texto/Visite o blog do clube de casais -> http://clube-de-casais.blogspot.com.br e participe! Grupo: http://facebook.com/groups/contoseroticos Abraços
20/08/2011 12:44:18
caracaaaaaaaaaaaa.. vc é mto loca garota.... nunca tinha lifo um conto q me fizesse gozar tanto.... qria ter um padrasto desses..kkk.. ele deve ser uma delicia em.. sorte sua e da sua mãe....
17/05/2011 22:27:53
Simplesmente, sou louco por minha enteada. Aquele corpinho escultural, 20 anos de pura sedução. Sonho em, no mínimo poder me deslumbrar com seu corpo nu. Uma vontade entorpecente de mordiscar seus seios, deliciar-me com sua xaninha quentinha, e afogar-me de prazer...
01/02/2011 11:26:50
COMO SEMPRE VOCÊ SE SUPERA EM SEUS CONTOS, INCRÍVEL, MAIS JÁ GOZEI VÁRIAS VEZES QUANDO O LEIO, NOTA E PARABÉNS...
05/08/2010 00:49:43
muito bomdelicia nota
04/08/2010 18:22:32
Otimo nota
05/04/2010 19:23:53
uma deliciah o conto
16/12/2009 16:24:26
mulher o melhor conto que já li
07/10/2009 16:18:09
que delicia de conto,tal mãe,tal filha,cara sortudo ter vc,se transar com as duas vai ser melhor ainda,sonho de todo homem
23/09/2009 20:07:58
carinha de sorte,ter uma mulher que pedi pra fazer de tudo.e vc gosta de fazer igual a sua mãe?frente e verso? bjão amor

Online porn video at mobile phone


arrombando o cu da luzia contosporno pai brincando de fazer cocegas na filhacontos amigo tarado aposta game fui viado sexover video porno mae gts malhando em casa sem calcinha seu pai verconto erotico gay cunhadosdorzinha contos sadomasoquismomulheres tocando sirica no trabalho e gosando com seu casulocontos hetero experimentar chupar pau porno conhecendo minha primaNego en acao fudeno virje xvvidios porno de mulatas de labios carnudos pondo porra pelo narizcontofudi minha cunhadacontos eróticos Pastor comeu c* da minha filha que nem peito tinhavanessinha casada e putinha/quadrinhosPijamar levo a picaxvideosdois negros de 40cm de pica em dp c a intiadacontos eiroticos leilapornalivat xxxvídeox vídeo só moça bonita peidano alto na caussaxxx. irmã entra no quarto do irmão quando o irmão da ver xvideo faz com ele amei ven a filha e o filho ase fuderen e fode com elesacho que minha namorada gozou pq agente tava fazebdo sexo e a perna dela tava tremendosogra faminta por sexoconto com putinha novascontos eroticos de incesto no coloVampiros elobisomens-Casa dos Contos Eróticosporbodoido ledbicaXsvideos mulher chicoteando machoxvideo branguinhaa.18anosnovinha tertraídoo namorado no celulax video subrinhaolhando o titio roludoxvideo Comendo a Mulher do Meu Tio Cielycontomorenaboameche gostozo estou gozado dentrocontoerotico eu,namorada, minha mae e tio jorgebuceta d penuarcontos eiroticos leilapornquero assistir vídeo de sexo de patricinha filha de empresário rico trepando com namoradoputa com bitola para arreganha o cuconto com putinha novaswww.putariabrazilrira de pai espiando filha mai nova no banhoVídeo mulheres grávida de nove mês com homens bem dotadowattpad enteado gay chupando o pau do padrasto musculosomãe chega do serviço e faz a sua filha dando o c****** no XVídeo ela ainda virgem nunca tinha dado minha b***** nem um pouquinho e ela Fraga fica Vista irritada e entra na bagunçaconto erotico huntergirls71conto patricinha escravacontos que delicia comi o cuzinho de minha boneca!!!xvideoscontospornosx videos " ele encheu minha boceta"XVídeos visagensfudeno patroazinhaconto morador de rua roludo comei gpstos minha esposamenino menoridade inocente porno gayrelato errotico. mae pata de camelocontos eroticos de irmas gemiasmeniina lavano abuctaContos erótico brinquei de esconde esconde e arrombarao meu cuvideocurto brasileiro de corno humilhadomeu tio roludo arregaçou minha jovem esposa rabudacontos eroticos estiprando a freira no coventocontos erótico minha filha de shortinho curtocontos eroticos meu empregado de piça ggmeu vizinho gordinho passo aqui so pra mim da uma chupada videos xconto erotico rasga minha buceta esfola meu cuzinhoermau tranzando com ermanvídeo biscatinha gostosa nora pagando a dívida do marido para o sogrocontoerotico eu namorada mae e tiomulher do peito e gigantão do bumbum gigante rebolando até o chãodotadao gozando dentro do amiguinho dengozohistorias de desespero para urinartarado estorando boi no mato xvidio.com