A solteirona do condominio

Um conto erótico de marcancam
Categoria: Heterossexual
Data: 16/12/2008 12:19:38
Nota 9.25

A SOLTEIRONA DO CONDOMÍNIO

Aprendi sobre sexo muito cedo. Aos 8 anos eu já tinha aprendido com uns coleguinhas de grupo escolar e bater punheta. Não é que gozasse, nem tinha como naquela idade, mas era gostoso sentir os arrepios quando acabava. E punheteiro fui até 14 anos, chegando, às vezes, a bater até 5 punhetas num dia só. Tinha a punheta matutina, quando eu acordava, sempre de pinto duro, tinha a do banho antes da escola, tinha a das professoras, nos banheiros do grupo, principalmente quando era aula de ciências ou geografia, matérias cujas professoras eram muito boazudas. A gente sentava na frente da mesa em que ficavam e nos deliciávamos vendo as coxas delas. Daí, era um tal de pedir para ir no banheiro e lá descascar uma caprichada. E ainda tinha aquela tradicional da noite.

Aos 14 anos, nas rodinhas do colégio, tinha sempre aquelas conversas da turma, a maior parte mentiras deslavadas – “eu comi a fulana”, “eu peguei a empregada de casa”, “eu transei com a mulher do vizinho”, e por aí iam as conversas. Eu ficava pensando: ‘Será que sou só eu que nunca comi ninguém?” Colegas, até os mais novos, já contavam histórias, meio fantasiosas, de suas transas, e eu, nada”.

Meu pai era porteiro de um condomínio de casas de gente classe média alta, casas bem chiques. Para ganhar um dinheirinho, eu consegui então entregar nas casas os jornais e correspondências que ficavam na portaria, todos os dias de manhã bem cedo. Na casa mais afastada da rua principal do condomínio morava uma professora de um colégio particular, uma solteirona, 37 anos, alta e magra, de seios grandes, cabelos bem compridos sempre presos num coque, olhos bem verdes e não era muito bonita. Diziam que na sala de aula ela era o terror dos alunos, dava bomba adoidado. Mas a comigo ela sempre era muito jóia e sendo sua casa a ultima a receber o jornal, ela me fazia entrar, tomar café, me dava biscoitos e bolo. Seu nome era D. Helena, ou D. Leninha como a chamavam no condomínio. Já os moleques às vezes a chamavam de “Maga Patalógica” e de “Papa Anjo”, eu não sabia por quê.

D. Leninha me chamou um dia para cortar a grama no seu quintal. Fiz um bom serviço e ela então combinou comigo de ir todos os sábados limpar o quintal, aparar a grama, tirar as folhas da piscina e outras coisa assim. Ela sempre estava por ali, olhando, orientando e no final do mês me pagava um trocado até bom.

Certo sábado eu cheguei cedo, limpei a piscina, tirei o lixo para fora. D. Leninha devia estar dormindo ainda. Fazia um calorão daqueles e logo ela chegou, me chamou para tomar café. Depois fui continuar o serviço e ela saiu da casa vestida com um biquíni minúsculo, com os seios quase saltando para fora. Eu fiquei bobão, olhando aquilo tudo, quase babando. Ela passou por mim, viu o jeito que eu estava, deu uma risadinha e pulou na água. Eu fui saindo de perto, já disfarçando o pinto duro que estufava minha bermuda quando ela me chamou. Apontou para a beirada da piscina e falou: “Senta aqui”. Bem sem graça eu assentei com os pés dentro da água e ela veio ficar bem na minha frente. Eu tentava desviar os olhos dos seios ela, mas não tinha jeito. Ela perguntou meio que rindo: “Você já viu os peitos de uma mulher assim de perto?” eu sacudi a cabeça negando. Ela então desamarrou a parte de cima do biquíni e jogou sobre a cadeira que ficava ali do lado. Eu babei! Ela me fez outra pergunta em seguida: “Quer dizer que você nunca viu uma mulher nua ao vivo”? Novamente eu neguei com a cabeça. Logo D. Leninha tirou a calça do biquíni também. Eu já não sabia o que fazer, fiquei meio paralisado. A bucetinha dela era depilada, lisinha, a pele era bem branca e no meio da fenda sobressaia uma ponta, o grelo dela, que era bem grandinho. Ela saiu da piscina, se enrolou numa toalha que tinha trazido, soltou os cabelos (e aí ela ficou muito bonita), me pegou pela mão e me arrastou para dentro da casa, me levando direto para o banheiro do quarto ela. Ela só me falou: “Calma, deixa que eu faço tudo, ta?” tirou minha bermuda e cueca, tirou minha camisa, abriu o chuveiro e me deu um banho caprichado. Meu pau estava duríssimo, ela o esfregou com força, eu quase gozei ali mesmo. Ela notou e falou: “Ainda não, espere um pouco.” Abriu a água fria para me fazer amolecer o pinto, não adiantou muito. Me enxugou e puxou para a cama falando: “ Devagar, não fique afobado, gosto de fazer sexo assim, com meninos novos que sejam inexperientes, virgens, é assim que eu gosto. Vou ensinar tudo para você, a gente vai transar muitas vezes e você vai ver como é gostoso. Eu sei que há uns que falam que eu sou ‘Papa Anjo’ por gostar de meninos como você, inocentes. Mas você vai ver como eu posso ser boa professora”. Deitou junto comigo, colocou a boca no meu pinto e, a primeira vez que gozei com uma mulher foi com ela, na boca mesmo. Nem deu tempo de falar qualquer coisa, me esporrei todo, rapidinho. Ela ficou me fazendo carinho, me fazendo chupar seus seios, que delicia era isso, logo empurrou minha cabeça para baixo, abriu as pernas e me fez colocar a boca em sua buceta. Eu tinha visto em revistinhas desenhadas aquilo, mas agora era ao vivo. A princípio tive certo receio, talvez nojo, mas ela foi falando o que fazer e logo eu estava mamando no seu grelo grande como tinha mamado nos bicos dos seus seios. Sua buceta era meio salgada, molhada, mas foi ficando gostoso demais. Foi aí que eu vi uma mulher gozando pela primeira vez. D. Leninha gemia, apertava minha cabeça de encontro ao seu corpo e dizia: “Menino, eu estou gozando, chupa aí com força, mama no meu clitóris, chupa, lambe.” Apertava minha cabeça com as coxas, no meio das pernas e logo depois amoleceu o corpo e desabou sobre a cama estremecendo. Descansamos um pouco e aí ela abriu as pernas e me puxou para cima dela. Meu pinto ficou duro de novo, ela o colocou dentro de sua buceta. Eu fui às nuvens. Me ensinou a fazer o vai-vem ali, fiquei lembrando das historias dos colegas de escola, e eu estava ali vivendo uma delas, só que esta era de verdade. D. Leninha foi mesmo ótima professora. Naquele dia eu gozei mais uma vez em sua buceta, não dei conta de mais. Mas daí para frente, todo o sábado eu ia lá para a casa dela, e a gente fazia de tudo. Aprendi a chupá-la até ela gozar muito, ser chupado de todas as maneiras, no pau e no cuzinho. Metia em sua buceta, em seu cu, no meio dos seios, nas axilas melando-a toda. Ela gostava de ser melecada assim. A gente passava horas na cama ou mesmo na piscina (o muro era alto, ninguém via nada).

Isto durou quase dois anos. Depois ela trouxe um outro moleque para “ensinar” e eu fui ficando de fora, mas, nesta época eu já estava atrás de outras “caças”: a empregada de minha casa, uma outra empregada de um vizinho, a mulher do padeiro...

Foi assim que eu passei a contar minhas histórias para os colegas de escola, lógico que sem citar nome dela. Hoje, com 62 anos ainda me lembro demais daquele tempo de aprendizado. Valeu! [email protected]


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive marcancam a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
05/02/2016 15:26:28
Tinha uma professora na minha escola.....Sonia... morena clara, cabelos lisos negros, uma bunda deliciosa, coxas grossas....
04/09/2009 17:20:03
cara muito bom seu conto,nada como uma professora nessas para gente,parabéns
21/01/2009 23:45:28
Eu acredito que esse conto seja verdadeiro sim. E esse cara aí em baixo só deve estar falando essas coisas pois ele nunca teve uma transa tão boa quanto essa que você acabou de relatar.
19/12/2008 15:11:26
Olha, OnTheAir, estou escrevendo hoje. Naquele tempo, o nome era vila, mas não deixava de ser um condomínio.Piscina sempre existiu e quem tinha piscina tinha de limpar. Era uma vara comprida com um puçá (Você sabe o que é isto?) na ponta e a gente tirava a sujeira (folhas principalmente) com ele. E professora era das melhores opções de emprego, não era como hoje, uma profissão desvalorizada. E também, não sei porque estou me dando ao trabalho de responder a você. Vá se catar,pô.
18/12/2008 16:24:31
Bom saber que em 1960 já existiam conmdominios fechados com direito a piscina , limpador de piscina e que uma professora solteirona conseguia pagar na boa.
18/12/2008 15:21:08
^Pô OnTheAir, tudo é preconceito com os mais antigos? Tenho sim meus 62 mas continuo com tesão normal. Não sou como estes velhos babões que já entregaram a palha com a rapadure. E na época (1944), qualquer biquini era escandaloso, minúsculo. Contexto de tempo, meu crítico. E já naquele tempo existiam mulheres como d D. Leninha, com fogo no rabo, costumavam dizer. Aprenda a se contextuar,meu.
18/12/2008 11:45:13
Vamos analisar. O conto é bom, mas poderia ter deixado de contar que tem 62 anos né?? Se não fosse isso poderia até passar por verdadeiro. O que obviamente ficou demonstrado que no minimo sofreu um exagero tremendo. Ou tu acha que alguem acredita que em 1960 existia uma professora solteira, morando sozinha e com um BIQUINI MINUSCULO ??? Menos né.

Online porn video at mobile phone


contos eroticos de comedores gozando dentro da esposawww. putaria na tv/minha mae e meu padrasto fazendo sexo escroto comigocontos eroticos climax daputinha dando pros amigoseu quero um vídeo acaba transando com a mulher postergando ela na cama dormindo a força e ela gritando ele comendo elacontos a cabra taradaamiguinhos gay loirinhos fazendo troca trcontos e videos de transando com as casadas com permissão do maridopornodoido meninao donzelo.fode muito com sua mae "caralho entalado" contoas panteras filmes porno a cordano minha tiaapaixonado por dois brutamontes da faculdade 12xvideo adoro ver pau emtradocontos eroticos alunorelatoeroticoloirapai roludo filiha rabuda teatro pornocontos eróticos negão coroa comendo o cuzinho de menino virgemmullheres fodem tarado apulso como vingancavitinho meu sobrinho contos gaysXvideos de novinha de dozi anos mostrando a barriguinha e os primeros pelinhospadrasto comendo a novinha dentro da sua casa me amarrotavovo da buceta cabe prazoconto a novinha com cinta penianacontos porno gratis estupro sadomasoquismo submissãovelho rasgador de bucetacasadoscontos.com advogada viciosaxvideo a minha madrasta rabuda me iludindoconto fodi minha professorascontos eróticos forçado a virar meninaNovinha fica facinha e chupa o pau de todo mundo e da a buceta pra vários eo vídeo vazou na internetvirei viado depois de velhonovinha shortinho finos pegando no pau do namoradosobrinha traza com tio gotinhamulher que gosta de ser encostada no ônibus contoswww.contos de scat namorada chupando o pau de bosta dereto do cu.comquero ver moças dentro de casa de baby doll bem gordinhoContoeroticonovinhosafadono motel eu comecei a beijar o pescoço da minha cunhada casada evangélica ela gemia eu comecei a chupar seu peito eu comecei a chupar sua buceta ela gozo na minha boca eu disse pra ela chupar meu pau ela disse pra mim eu nunca eu chupei o pau do meu marido evangélico eu disse pra ela chupar meu pau que você vai gostar ela chupou meu pau eu fui metendo meu pau na sua buceta eu comecei a fuder sua buceta ela gozo conto eróticoComtos eroticos de mulheres q bateram punheta pra cachorrocontos de vacas que gostam de levar no cu e na conacaso elevo omigo com 30 centimetro de pau pra foder esposaestragaram#calcinharosacontos eiroticos leilapornPriminha novinha linda dos peitoes metendo com muleque pauzudoGulosa xsvidioporno filho comendo a mrabuda dormindocontos erotico comendo a subria dormindosexp.conto.mae.filho.comporno metendo de levinho atraspeladas passando margarina uma na outroconto erptocp gay paiXVídeos Botei sonífero na bebida da minha mãe e transei com ela dormindoconto erotico gay cunhadosconi o cuzinho da minha filha magrela contoschinezinho abrindo sua bucetinha piscando gozandopornodoido continua surpreendoo DIU forçando a sobrinha chupar o pau delewww.meu tio mepego na casa de praia sozinha comto erotico.comPiricada concentradacasa dos contos "eu mudei por ela 11" mariseu quero ver somente conto erotico de freira lesbica fudendo a buceta da noviça com opau de borrachacatucada vai sair com a buceta inchadafilho passando protetor em mae rabudabucettao inchadasler contos eroticos menagebiquine mulher cazada safada.e asim na praiafilmes pornodoido marido da sua esppsinha magrinha par a um negrap do pau enorme tora ela ao meiovidio de comedor gozando na portiha do cu da casadaxvideo porno erotico esposa negra traino o marido ela dano o cuzinhoconto gay ele se revoltou e tomou todasmarido esposa procuran outros casais para faser cuinguefatimasexpornocasadinha contosconto erótico menina timida mas cai de boca no pau tão novinha e peitudapromo gostoso me fudeu contos eróticos gay