DEI O CU POR ACIDENTE (reedicao)

Um conto erótico de Estefanio
Categoria: Homossexual
Data: 14/07/2007 16:38:47
Nota 8.62
Assuntos: Homossexual, Gay

Meu nome é Augusto, moro na cidade de Alto Horizonte, em Goiás. Tenho 43 anos e ainda sou solteiro. O que vou contar aqui aconteceu a 15 anos atrás, quando eu trabalhava como cortador de cana em fazendas do estado do Pará, como quase todas as pessoas que conhecia, aqui da minha cidade.

Tinha chegado a época do corte de cana e, como todo ano, saí da minha cidade no interior de Goiás e fui para o Pará procurar trabalho. Eu estava com 28 anos e, naquele ano, arranjei emprego como cortador de cana numa fazenda que ainda não conhecia. Quando cheguei já notei que havia algo estranho. De noite eles nos mantinham trancados num barracão e só saiamos pela manhã para o corte, voltando a noite para dentro do barraco, que era trancado com cadeado pelo lado de fora e guardado por dois homens armados com rifles. No final da semana não recebíamos nosso dinheiro, pois diziam que estávamos era devendo. Trabalho escravo.

Durante o dia não dava para fugir, pois éramos vigiados o tempo todo, mas a noite poderia haver uma chance, na escuridão, quem sabe... Mas o problema era que ficávamos trancados. Éramos 35 homens trancados dentro de um barracão grande de madeira, dormindo pelos cantos, onde dava. Já nos primeiros dias que cheguei, notei que num canto do barraco sempre havia algum tumulto, sussurros, gemidos... Perguntei para um colega que estava do meu lado o que era e ele falou para eu ir lá ver pessoalmente, senão não ira acreditar. Fui me arrastando na direção dos sons, era muito escuro e quase não dava pra ver nada. Chegando lá, notei que havia um homem de quatro, e outro, por trás, estava enrabando o cara. Voltei rapidamente para o meu canto. Perguntei pro meu colega quem era o viado e ele me disse que isto era segredo, que não era pra ninguém saber. Na verdade, não era um só e cada dia tinha um diferente. Era proibido acender luz para que quem estava de quatro não fosse reconhecido, e nem que o estava comendo, e essa lei era obedecida. Perguntei pra ele se ele já tinha ficado de quatro e ele riu dizendo que não, mas que às vezes vai até lá e pega a fila para dar umazinha em quem estiver dando. Mas que lá era proibido falar pra que as pessoas não fossem reconhecidas pela voz. Achei aquilo tudo muito estranho e preferi ficar na minha, sem me envolver.

Amanheceu e, como sempre, vieram os guardas e abriram o barraco. Lá fora, um cheirinho de café. Saí do barraco e peguei a fila do café. Uma caneca e um pão pra cada um. Fiquei olhando pros outros, todos com cara de gente sofrida, uns mais novos, outros já velhos, tentando imaginar como pode ter acontecido o que vi na noite passada. Quem estava dando o cu? Olhando pros rostos desses homens, não dá pra saber. Todos pareciam muito sérios.

Após mais um dia no canavial, voltamos pro barraco. Eu só pensava em fugir dali, mas como? Aproveitando a última claridade do dia, dei uma olhada em volta, era só mato, mas isso era bom, pois para fugir era só me embrenhar naquela mato e sumir. Se conseguisse chegar ao rio, nem os cachorros me alcançariam mais, pois perderiam o rastro. Mas como sair do barraco? Era um barraco velho, madeira já meio podre, não deveria ser difícil despregar uma ou duas daquelas tábuas. Notei que num canto havia uma tábua bem podre e que poderia se soltar com um bom empurrão.

Anoiteceu, vieram os guardas e nos trancaram como sempre. Já com o meu plano em mente, fiquei perto do lugar onde a tábua estava meio podre. Esperei umas duas horas até que a maioria já estivesse sossegada, me aproximei da tábua e dei um forte soco com a mão aberta. Ela cedeu. Consegui afasta-la de lado e deu pra sentir o cheiro do mato do lado de fora. Mas a tábua era muito estreita e eu não conseguiria passar. Precisaria tentar despregar a tábua do lado. Com dificuldade, enfiei a cabeça para fora do barracão pelo buraco da tábua para ver se via algum guarda. Estava muito escuro, quase não dava pra ver nada, mas vi a luz do cigarro de um deles que fumava a uns cinco metros de onde eu estava. Tive sorte de ele não ter ouvido o barulho quando soquei a tábua. Bom, amanhã eu iria ver como era a tábua do lado, pra ver se dava pra solta-la também. Estava tentando tirar a cabeça, mas as orelhas não passavam. Fiquei meio entalado, mas continuava tentando me soltar.

Derrepente, senti um movimento atrás de mim. Alguém se aproximou e estava baixando a minha calça, que era de elástico. Lá estava eu, de quatro no canto e sendo confundido com o viado da vez. Não podia falar para não chamar a atenção do guarda, então tentei fazer sinal para o cara atrás de mim, mas estava escuro. Eu tentava tirar a bunda da reta, mas ele me segurou, passou saliva no meu cu, encostou a cabeça do pau e começou a fazer força. Minha nossa! Eu ia ser enrabado sem querer. Comecei a gemer baixinho, mas não teve jeito, senti um estalo no meu cu, como se tivesse levado um choque. O cara me segurou pelos quadris e enterrou tudo. Acho que desmaiei, pois só me lembro quando ela já estava tirando o pau e senti o cu todo lambuzado. Meu cu ardia, mas foi um alívio quando ele tirou o pau. Continuei tentando soltar a minha cabeça do buraco, mas estava difícil. Novamente, um movimento atrás de mim, era outro que veio me comer. O cara chegou e já foi enfiando, como o meu cu já estava largo, entrou tudo sem fazer força. Dessa vez senti os movimentos de vai e vem. O cara me segurava com força, metia tudo e tirava, voltando a meter de novo. Ficou nesse vai e vem uns cinco minutos, até que senti o meu cu sendo enchido por fortes jatos de porra. Eu não acreditava no que estava acontecendo. Precisava me soltar. Já estava quase conseguindo quando um outro me segurou por trás e me enrabou de novo. Eu já tinha me soltado da tábua, mas não podia falar nada, pois era a lei. Fiquei quietinho sendo enrabado e esperei até que o cara gozasse. Depois, silenciosamente, voltei pro meu canto com o cu todo arrebentado e fiquei quieto. Após alguns minutos, notei que a movimentação recomeçou. Um outro tinha tomado o meu lugar e já estava de quatro sendo enrabado. Passei a mão no meu cu e senti que estava todo esgaçado. Devia estar sujo de sangue, pensei. Então peguei uma camisa velha, me limpei e vesti a calça novamente.

Pela manhã vieram os guardas e abriram o barraco. Fiquei com vergonha, mas ninguém olhou pra mim, parece que ninguém sabia mesmo o que tinha acontecido comigo naquela noite. Fomos para o canavial e eu pensando se valia a pena tentar soltar a outra tábua ou se seria melhor continuar ali, sem correr o risco de ser enrabado novamente. Quando voltamos, pude ver que a outra tábua era mais nova e seria difícil de solta-la. Desisti do meu plano. Precisava bolar um outro.

Passadas mais duas semanas, fomos surpreendidos pela polícia, que havia descoberto o sistema de escravidão da nossa fazenda e veio nos libertar. Recebi o meu pagamento e voltei para Goiás. Arranjei um outro emprego e fui estudar. Nunca falei pra ninguém sobre o que aconteceu comigo naquele barracão, até que achei este site.


Este conto recebeu 0 estrelas.
Incentive Estefânio a escrever mais dando dando estrelas.
Cadastre-se gratuitamente ou faça login para prestigiar e incentivar o autor dando estrelas.

Entre em contato direto com o autor. Escreva uma mensagem privada!
Falar diretamente com o autor

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
07/04/2014 13:34:38
Tadinho. Vc parece sincero no seu relato. Trabalho escravo eh foda, mesmo. Desculpe, nao foi isso que eu quis dizer...
21/07/2007 15:51:22
Achei muito bom o seu conto ! Mais que erótico,ele é super-hilário : vá ser azarado assim, lá longe ! Dei muitas e muitas risadas ! Além disso, o autor tem bom domínio das palavras, dando até a entender que se trata, mesmo, de história verdadeira . . .
17/07/2007 13:16:35
Qué dize que vc foi cortar cana e no fim os cara é que meteram a cana nocê ehehehee
15/07/2007 08:23:55
Caro amigo, vc deve ter gostado ja que veio nos contar sua história, senão o silencio de tantos anos não teria sido quebrado, experimente de novo só que desta vez vendo quem ta te enrabando.

Online porn video at mobile phone


vídeo de sexo com matuto. na piscina de sucaIncesto wattpad de netas e vos tranzandocumendo tia miriam contomarido recuza amulhe gostoza e la fode com vizinhocorno xxx veibidor trasparentecontos eróticos a babáfudeno cadela de frango asado zoo filiapapel tarado arregaçou o cu da neguinha na marrateste de fidelidade quente com buceta e pinto grandemulher fudendo escanxada ensima da rola do maridocontos picantes de amor gaysilha do prazer com ruiva gostosa dando a buceta carnuda ando de quatroMinha Esposa Gordinha Rabuda Me Coloca Chifres Casa dos Contosmae de filho gozando muito com brutamonte e corno filmando xnxxVoltei para casa toda arregaçada e cheia de porrasexo de concuinha lourasgordinha rabuda da seno curiada pele irmãoComtos namoradas fodidas por velhosxvidio mulher com dedo na buceta chamando jairopornô novinha Rush rosto cheio de espinhaantunesfagner entre homenscasadoscontosfilhaGostosa elizangela gorda rabuda paciencia masturbacontos eroticos gay me apaixonei pelo afeminadocontos eroticoscuzinho sem pregaso chulé da minha amiga contos eroticosquero ver a morena sexo gostosa batendo p****** com pau do homem roxinho e g****** pela b*****WESLLEYWEST-CASA DOS CONTOS EROTICOSContos eróticos Perdendo o cabaço na Lua de melconto erotico punheta raptoxvideos.irmao.meteno.o.pauzao.na.irma.arregassanoconto erotico velho taradoporno fui deitarmais minhamadrastax videos mulher lammbendo o cusinho do homem e ele gosaPaguei para deflorar a filha do caseiro conto eroticopolicial fudendo com mulher que levava drogas na bucetaEu garotinho deu o ccu muito novinhonovinhobonitinho de quatro pede rola grossano cuconto erotico nora cortando gramavergonhapai comendo.as filhascontos eroticos o carroceirowattpad contos incesto fui estrupada pelo padrastoxsvideo Historias e relatos reais esposa pega marido dando o cu pro negraomao tranzado com. afilhabotei meu dedo na buceta da mulher do amigodesde novinha ja fudiamenina ponha na bucetinha dedinho cheio de pregastezãozinho fodendoxxxxvideos mae bate punlheta pro filhoconto erotico advogado apaixonantexvideo da tia com medo a som brinha gozado na boca delaconto erótico com carreteiro mulher danto o cu pra um homecom o ppu mais grante do mintoxxvideosogramolhadinha vídeo abrindo as pernas para o cara lambe a b***** dela no canavial tá o c***** dela do interiorContos erotico gays moto boymulher magra casada de baby doll em casa querendo dar para outra pessoa XVídeonegao roludo mente ei gey vijepai tira. virgindade da filha la gorra esguichAcasal sendo masageado pornonovinha de xoeti.himagem de menina mois trado a puceta dela vizimContos.encesto.mae.silmentamulher pelada revista da revisão mas bem bucetuda com quero ver a mãe bem peladona grandonaConto erotico sou madura e consolo lesbicamenino de atrasou e pediu carona pra homem sarado na moto pornoxvideos dotado resolveu medir o picaovídeo pornô máximo eletrizante que arrombaAliviando os funcionarios contos eróticosfotos de bucetas do faisaoeu me masturbando pra minhacunhadinha pretinha de onze anos em vjaponesa de Cubatão novinha porno com endereço telefone